Blog

A maneira como seu filho brinca oferece pistas importantes sobre seu desenvolvimento

17/05/2019

Quando brincamos com nossos filhos, podemos avaliar uma série de fatores que indicam ou não prejuízos na comunicação, na interação social, nos comportamentos e no desenvolvimento neuropsicomotor da criança, dando pistas importantes sobre a possibilidade de eventuais condições do neurodesenvolvimento como autismo entre outras.

Durante o brincar podemos observar, por exemplo:

– A capacidade de dar funções adequadas aos brinquedos e utensílios;

– Falhas na imaginação, na capacidade de abstrair, de imitar, de brincar de “faz-de-conta”;

– Preferência por um único brinquedo ou determinada brincadeira;

– Se há dificuldade em compartilhar brincadeiras especialmente se houver crianças da mesma idade, se demonstra prazer em brincar com o “outro”;

– Se apresenta preferência por brincar sozinho e isolado dos demais;

– Dificuldade em compreender jogos, regras e comandos;

– Se há habilidade em nomear e dar significado aos brinquedos, brincadeiras;

– Se reconhece seu nome e atende quando chamado;

– Repertório verbal. Se a criança ainda não tiver desenvolvido a comunicação verbal, podemos observar sua comunicação não verbal como apontar para o que quer, gesticular com intenção comunicativa;

– Se reconhece partes do seu corpo ou de um boneco ou “bichinho”;

– Conseguimos observar questões de coordenação motora fina e grossa durante brincadeiras como encaixes, quebra-cabeça, quando brincam de “comidinha”;

– Atividades de colorir, desenhar nos dão pistas motoras e podem nos auxiliar no entendimento da relação da criança consigo mesma e com seu universo;

– Se consegue alternar de uma brincadeira para outra sem se mostrar irritada com mudanças repentinas;

– Presença ou não de estereotipias;

– Podemos ainda observar questões de hipersensibilidade, se a criança tem, por exemplo, problemas com texturas, temperaturas, cores, odores, ruídos do ambiente;

– Se é desatenta ou apresenta hiperfoco (quando se concentra demais em determinada atividade com dificuldade na atenção compartilhada);

– Como a criança senta, se levanta, anda, corre também nos fornece dados relevantes sobre seu desenvolvimento, tônus e força muscular, coordenação, propriocepção ( ex.sentar em W, marcha na ponta dos pés ou com base alargada);

– Alterações visuais, táteis, auditivas, gustativas também podem ser avaliadas em uma brincadeira;

– Agitação e inquietude excessivas, impulsividade, agressividade são comportamentos que facilmente ficam evidentes, se presentes, durante uma brincadeira.

Você ainda tem dúvidas do quanto é importante brincar com seu filho?! .

Além de oferecer pistas sobre o desenvolvimento da criança, o brincar é uma importante ferramenta terapêutica. Durante a brincadeira (dirigida ou não), conseguimos fazer com que a criança desenvolva muitas habilidades e autonomia, além de reforçar o vínculo entre pais e filhos.

Mamães e papais, no momento de brincar com seus filhos, estejam inteiramente com eles e desfrutem desse momento de intenso amor e aprendizado!!!

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com TEA, especialmente aqueles mais funcionais ,têm risco aumentado para depressão quando comparados com seus irmãos sem TEA e com a população em geral. Publicado no JAMA Network Open em agosto de 2018, este é um estudo com uma base grande e que continua muito...

ler mais
Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Levando em conta o cenário atual e aproveitando o Purple Day que tem o intuito de aumentar a conscientização sobre a epilepsia, destaco algumas considerações em relação à epilepsia e Covid-19: - Não existem evidências de que pessoas com epilepsia (sem outras condições...

ler mais
Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social resume-se à capacidade de uma pessoa identificar e compreender sinais sociais e saber adequar seus comportamentos às mais diversas situações. Inclui habilidades nas seguintes áreas: - Processamento de emoções: identificar a emoção do outro por meio de...

ler mais
Síndrome de Down e Pandemia

Síndrome de Down e Pandemia

Em meio a pandemia, é importante falar sobre deficiência e maior risco de contrair COVID19. Hoje falarei sobre a Síndrome de Down (T21). Deve ser levado em consideração que pessoas com T21 podem apresentar maior vulnerabilidade e/ou possível desfecho mais grave no...

ler mais
Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Há maior prevalência de distúrbios do sono entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), sendo mais frequente, a insônia. Até 86% das pessoas com TEA apresentam dificuldades para adormecer e/ou permanecer dormindo; sendo os distúrbios do sono 2 a 3 vezes...

ler mais
Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout é o termo usado para uma exaustão de longo prazo associada a consequente desinteresse pelo trabalho e/ou afazeres, sendo esse um quadro comum entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) devido às próprias particularidades da condição. O esgotamento...

ler mais
Terror noturno

Terror noturno

O terror noturno é um distúrbio do sono/parassonia mais prevalente em crianças, especialmente entre os 2 e 5 anos, e tende a melhorar com o amadurecimento, por volta da adolescência. Ocorre por alguns minutos durante o sono, sendo caracterizado por movimentos anormais...

ler mais
Como a neurociência explica as birras?

Como a neurociência explica as birras?

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre...

ler mais
Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

O pareamento ou emparelhamento é uma forma de ensinar o reconhecimento visual dos estímulos do mundo. É habilidade fundamental para todas as crianças, já que trabalha questões visuais, perceptivas e cognitivas. Quando pensamos em particularidades do Transtorno do...

ler mais