Blog

Apraxia da Fala na Infância no Transtorno do Espectro Autista

08/09/2020

A Apraxia da Fala na Infância (AFI) pode ser uma comorbidade no Transtorno do Espectro Autista (TEA). Se presente, aumenta as dificuldades para aquisição da fala e fala inteligível. O diagnóstico diferencial ou comórbido pode ser difícil e exige atenção às particularidades de cada condição.

No TEA é comum atraso ou prejuízo na linguagem receptiva e expressiva (verbal e/ou não verbal) associado à dificuldade de iniciar e/ou manter um diálogo e em contextualizar a fala. Na apraxia não há prejuízos na linguagem receptiva e a criança sabe o que quer falar, porém, há comprometimento no planejamento, produção e precisão dos movimentos necessários para a produção da fala e para que ela ocorra no tempo e ordem adequados. Na AFI há variabilidade de erros nas tentativas de produzir a fala, ou seja, tentativas sucessivas de emitir a mesma palavra podem produzir erros diferentes e, quanto mais extensa a palavra, maior a dificuldade. Alterações prosódicas, como fala mais lenta, alterações de entonação, ritmo e melodia, são secundárias às dificuldades articulatórias da fala.

Devemos suspeitar de AFI na criança com TEA quando: mesmo com intervenções especializadas ela ainda não é verbal ou apresenta sinais como vocabulário pobre e de difícil compreensão; produz movimentos silenciosos dos lábios ou emite sons ininteligíveis; há aumento dos erros na emissão das sílabas ou palavras quanto maior a complexidade delas; atos motores da fala involuntários são mais facilmente emitidos que os voluntários. A avaliação deve ser feita por fonoaudiólogo com experiência em apraxia da fala.

Na associação entre as 2 condições, o tratamento consiste em intervenções para o TEA associado à terapia fonoaudiológica que contemple a apraxia (como PROMPT), com envolvimento de pais, cuidadores, educadores, que deverão generalizar em casa e na escola os aprendizados. A criança deve ser encorajada a encontrar maneiras alternativas de se comunicar (como PEC’s), assim, fica mais motivada para o treino de produção da fala. Compreender e ser compreendido é um reforçador natural.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtornos Ansiosos e Transtorno do Espectro Autista

Transtornos Ansiosos e Transtorno do Espectro Autista

Cerca de 40 a 66% das pessoas no espectro autista apresentam transtornos ansiosos. Dificuldades em prever ações; interpretar pessoas e o ambiente; em iniciar, manter e responder a relacionamentos de amizade, familiares ou amorosos, assim como aumento das demandas...

ler mais
Macrocefalia e Transtorno do Espectro Autista

Macrocefalia e Transtorno do Espectro Autista

Em torno de 20-30% das crianças com Transtorno do Espectro Autista apresentam macrocefalia (perímetro cefálico no gráfico de crescimento acima do percentil 97). Um aumento da taxa de crescimento do perímetro cefálico (PC) é encontrado em até 70% das crianças com TEA...

ler mais
Autismo e férias

Autismo e férias

As férias escolares chegaram! As crianças e adolescentes costumam ficar na expectativa, porém para aquelas que estão dentro do espectro autista, pode haver dificuldades com a mudança de rotina. Algumas orientações aos pais podem ajudar permitindo que todos vivam o...

ler mais
Depressão e Transtorno do Espectro Autista

Depressão e Transtorno do Espectro Autista

Cerca de 11-33% das pessoas com Transtorno do Espectro Autista apresentam como comorbidade a depressão, sendo mais frequente em adolescentes e adultos no espectro mais funcional e com risco aumentado em relação à população em geral. Alguns sinais de depressão podem...

ler mais
TEA associado a TDAH

TEA associado a TDAH

Cerca de 44 a 50% das pessoas com Transtorno do Espectro Autista apresentam Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) associado e destas, aproximadamente 84% recebem mais 1 diagnóstico comórbido. . TDAH é um transtorno do neurodesenvolvimento com forte...

ler mais