Blog

Apraxia da Fala na Infância no Transtorno do Espectro Autista

08/09/2020

A Apraxia da Fala na Infância (AFI) pode ser uma comorbidade no Transtorno do Espectro Autista (TEA). Se presente, aumenta as dificuldades para aquisição da fala e fala inteligível. O diagnóstico diferencial ou comórbido pode ser difícil e exige atenção às particularidades de cada condição.

No TEA é comum atraso ou prejuízo na linguagem receptiva e expressiva (verbal e/ou não verbal) associado à dificuldade de iniciar e/ou manter um diálogo e em contextualizar a fala. Na apraxia não há prejuízos na linguagem receptiva e a criança sabe o que quer falar, porém, há comprometimento no planejamento, produção e precisão dos movimentos necessários para a produção da fala e para que ela ocorra no tempo e ordem adequados. Na AFI há variabilidade de erros nas tentativas de produzir a fala, ou seja, tentativas sucessivas de emitir a mesma palavra podem produzir erros diferentes e, quanto mais extensa a palavra, maior a dificuldade. Alterações prosódicas, como fala mais lenta, alterações de entonação, ritmo e melodia, são secundárias às dificuldades articulatórias da fala.

Devemos suspeitar de AFI na criança com TEA quando: mesmo com intervenções especializadas ela ainda não é verbal ou apresenta sinais como vocabulário pobre e de difícil compreensão; produz movimentos silenciosos dos lábios ou emite sons ininteligíveis; há aumento dos erros na emissão das sílabas ou palavras quanto maior a complexidade delas; atos motores da fala involuntários são mais facilmente emitidos que os voluntários. A avaliação deve ser feita por fonoaudiólogo com experiência em apraxia da fala.

Na associação entre as 2 condições, o tratamento consiste em intervenções para o TEA associado à terapia fonoaudiológica que contemple a apraxia (como PROMPT), com envolvimento de pais, cuidadores, educadores, que deverão generalizar em casa e na escola os aprendizados. A criança deve ser encorajada a encontrar maneiras alternativas de se comunicar (como PEC’s), assim, fica mais motivada para o treino de produção da fala. Compreender e ser compreendido é um reforçador natural.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Níveis de gravidade no Transtorno do Espectro Autista

Níveis de gravidade no Transtorno do Espectro Autista

As dúvidas a respeito dos níveis de gravidade dentro do Transtorno do Espectro Autista (TEA) são frequentes até mesmo devido às infinitas possibilidades sintomatológicas. Os níveis de gravidade estão relacionados com a capacidade de comunicação/interação...

ler mais
Relacionamentos amorosos no Transtorno do Espectro Autista

Relacionamentos amorosos no Transtorno do Espectro Autista

Hoje, Dia dos Namorados, vim falar sobre relacionamentos amorosos no TEA. Muitos desejam essa relação e têm o direito de vivê-la. Alguns, no nível mais severo, podem não compreender sobre estes relacionamentos embora possam sentir desejo. Outros, mais funcionais, já...

ler mais
Transtorno do Espectro Autista e Obesidade Infantil

Transtorno do Espectro Autista e Obesidade Infantil

Crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresentam até 50% mais chances de estarem acima do peso ou obesas quando comparadas à população em geral. No TEA, padrões alimentares seletivos e repetitivos que podem incluir alimentos calóricos, o uso de alimentos...

ler mais
Transtorno do Espectro Autista e sexualidade

Transtorno do Espectro Autista e sexualidade

A sexualidade é uma dimensão presente e um direito de todas as pessoas, com algum tipo de deficiência ou não. Adolescentes com Transtorno do Espectro Autista se deparam com mudanças em seus corpos e com novas sensações de prazer. A orientação sexual para pessoas com...

ler mais
Síndrome do X Frágil e autismo

Síndrome do X Frágil e autismo

A Síndrome do X Frágil é uma condição do neurodesenvolvimento, genética, de caráter dominante e hereditária,geralmente associada ao Transtorno do Espectro Autista. Ocorre por alteração no gene FMR1 (Fragile Mental Retardation-1) localizado no cromossomo X, sendo mais...

ler mais
Síndrome de Phelan-McDermid

Síndrome de Phelan-McDermid

A síndrome de Phelan-McDermid é uma desordem genética causada por deleções no braço longo do cromossomo 22, com consequentes mutações ou ausência do gene SHANK3 envolvido diretamente nas sinapses e nos processos de aprendizagem e memória. 🧬A grande maioria possui...

ler mais
Esquizofrenia e autismo

Esquizofrenia e autismo

A esquizofrenia se caracteriza pela presença de ambivalência emocional, alucinações (que são percepções de coisas que não estão lá, sejam elas imagens e/ou sons, mas a pessoa acredita com convicção de que são reais. As percepções são predominantemente auditivas e...

ler mais