Blog

Apraxia da Fala na Infância no Transtorno do Espectro Autista

08/09/2020

A Apraxia da Fala na Infância (AFI) pode ser uma comorbidade no Transtorno do Espectro Autista (TEA). Se presente, aumenta as dificuldades para aquisição da fala e fala inteligível. O diagnóstico diferencial ou comórbido pode ser difícil e exige atenção às particularidades de cada condição.

No TEA é comum atraso ou prejuízo na linguagem receptiva e expressiva (verbal e/ou não verbal) associado à dificuldade de iniciar e/ou manter um diálogo e em contextualizar a fala. Na apraxia não há prejuízos na linguagem receptiva e a criança sabe o que quer falar, porém, há comprometimento no planejamento, produção e precisão dos movimentos necessários para a produção da fala e para que ela ocorra no tempo e ordem adequados. Na AFI há variabilidade de erros nas tentativas de produzir a fala, ou seja, tentativas sucessivas de emitir a mesma palavra podem produzir erros diferentes e, quanto mais extensa a palavra, maior a dificuldade. Alterações prosódicas, como fala mais lenta, alterações de entonação, ritmo e melodia, são secundárias às dificuldades articulatórias da fala.

Devemos suspeitar de AFI na criança com TEA quando: mesmo com intervenções especializadas ela ainda não é verbal ou apresenta sinais como vocabulário pobre e de difícil compreensão; produz movimentos silenciosos dos lábios ou emite sons ininteligíveis; há aumento dos erros na emissão das sílabas ou palavras quanto maior a complexidade delas; atos motores da fala involuntários são mais facilmente emitidos que os voluntários. A avaliação deve ser feita por fonoaudiólogo com experiência em apraxia da fala.

Na associação entre as 2 condições, o tratamento consiste em intervenções para o TEA associado à terapia fonoaudiológica que contemple a apraxia (como PROMPT), com envolvimento de pais, cuidadores, educadores, que deverão generalizar em casa e na escola os aprendizados. A criança deve ser encorajada a encontrar maneiras alternativas de se comunicar (como PEC’s), assim, fica mais motivada para o treino de produção da fala. Compreender e ser compreendido é um reforçador natural.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

TDAH X Bullying

TDAH X Bullying

Bullying é a prática de atos agressivos verbais, físicos e/ou psicológicos; intencionais e repetitivos com características de perseguição contra uma vítima. A vítima fica exposta, intimidada e se sentindo humilhada. O autor ou autores de bullying geralmente são...

ler mais
Shutdown e Autismo

Shutdown e Autismo

Shutdown é um termo por vezes utilizado para nomear um comportamento reacional a uma sobrecarga emocional e sensorial, a situações estressantes e/ou de ansiedade extrema. Pode acontecer com qualquer indivíduo e em qualquer idade, porém, em pessoas com autismo pode...

ler mais
Síndrome do Pânico na infância e adolescência

Síndrome do Pânico na infância e adolescência

A Síndrome do Pânico é um transtorno ansioso mais comum entre adultos, mas pode ocorrer em crianças e adolescentes. Caracteriza-se por “crise de pânico” (medo intenso que algo ruim aconteça sem motivo aparente) que pode acompanhar sintomas físicos (tremor, tontura,...

ler mais
Ecolalia no autismo

Ecolalia no autismo

A ecolalia caracteriza-se pela reprodução repetitiva de palavras, sílabas ou frases- a criança fica repetindo aquilo que ela ou o interlocutor acabou de falar (ecolalia imediata), pode ainda reproduzir falas de desenhos ou filmes após um tempo mais significativo...

ler mais
Autismo leve/Asperger X Superdotação/Altas Habilidades

Autismo leve/Asperger X Superdotação/Altas Habilidades

Cerca de 3,5-5% da população apresenta superdotação ou altas habilidades (SD/AH) caracterizada por desempenho elevado quando comparado aos pares, de forma isolada ou combinada, em uma ou mais áreas: conhecimento acadêmico geral ou específico, capacidade psicomotora,...

ler mais
Comunicação suplementar e/ou alternativa (CSA) no autismo

Comunicação suplementar e/ou alternativa (CSA) no autismo

A  linguagem não envolve somente o desenvolvimento da fala. Podemos nos comunicar de diversas maneiras e a comunicação é a forma de nos relacionarmos com as pessoas e o mundo ao nosso redor. Pessoas com autismo apresentam comprometimento em maior ou menor grau na...

ler mais
Transtorno Opositivo Desafiador

Transtorno Opositivo Desafiador

O Transtorno Opositivo Desafiador (TOD) é caracterizado por comportamentos desafiadores/desobedientes, hostis, impulsivos e negativistas por parte da criança ou adolescente, especialmente na relação com seus pais ou figuras de autoridade de uma forma geral. Há...

ler mais
Hiperfoco no TDAH

Hiperfoco no TDAH

No TDAH ocorre um prejuízo em regular a própria atenção, dificuldade em prestar atenção voluntariamente e no gerenciamento de tempo. Não só a distração, mas também o hiperfoco pode ser observado em algumas pessoas com Déficit de Atenção e Hiperatividade. O cérebro no...

ler mais
TEA – Dicas para os professores em sala de aula

TEA – Dicas para os professores em sala de aula

TEA - Dicas para os professores em sala de aula 1- Estar atentos e falar sobre os interesses dos alunos com autismo é uma maneira de obter vínculo, além de possibilitar variação para novos aprendizados. 2- Evitar usar frases com sentido figurado, duplo sentido,...

ler mais