Blog

Como a neurociência explica as birras?

03/03/2021

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre outras.

Especialmente até os 4 anos, a criança usa mais seu cérebro primitivo, reagindo emocionalmente a situações estressantes com repostas mais instintivas, imediatas, de sobrevivência. À medida que os anos vão passando, a região mais anterior do córtex pré-frontal vai amadurecendo, conferindo maior capacidade de pensamento crítico, reflexivo, de planejamento e solução de problemas; e é somente por volta dos 25 anos que a parte mais racional desta região estará completamente amadurecida. Somado a isso, na primeira infância, as crianças nem sempre apresentam repertório verbal necessário para expressar suas emoções ou conseguem nomear seus sentimentos. Lidar com frustrações e contornar problemas é, assim, mais difícil, e a forma de se expressar passa a ser através de birras.

Precisamos, porém, estarmos atentos a episódios de birras excessivas que podem estar associadas a transtornos do neurodesenvolvimento.(GOUVEIA, 2009).

Diante de uma birra, precisamos ajudar a criança em vez de simplesmente repreendê-la. Nem sempre é fácil. Os esforços devem ser no sentido de ajudar a criança a se acalmar, lembrando que ela não costuma conseguir fazer isso sozinha. O ideal é levar a criança para um espaço onde ela possa se expressar e se acalmar. Se possível, redirecione a atenção para outra coisa. Olhe nos olhos, não aja com agressividade, nem diga nada negativo. Se possível, negocie. Se souber que algo pode desencadear birra, antecipe, explique de maneira que ela possa compreender.

Seja sensível, lembre-se que a criança não tem habilidades de autorregulação emocional, e, portanto, depende das suas. Quando temos essa consciência, conseguimos olhar com mais sensibilidade para nossas crianças e nos desligarmos um pouco mais dos “olhares alheios”, com tranquilidade e maior entendimento.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Autismo leve/Asperger X Superdotação/Altas Habilidades

Autismo leve/Asperger X Superdotação/Altas Habilidades

Cerca de 3,5-5% da população apresenta superdotação ou altas habilidades (SD/AH) caracterizada por desempenho elevado quando comparado aos pares, de forma isolada ou combinada, em uma ou mais áreas: conhecimento acadêmico geral ou específico, capacidade psicomotora,...

ler mais
Comunicação suplementar e/ou alternativa (CSA) no autismo

Comunicação suplementar e/ou alternativa (CSA) no autismo

A  linguagem não envolve somente o desenvolvimento da fala. Podemos nos comunicar de diversas maneiras e a comunicação é a forma de nos relacionarmos com as pessoas e o mundo ao nosso redor. Pessoas com autismo apresentam comprometimento em maior ou menor grau na...

ler mais
Transtorno Opositivo Desafiador

Transtorno Opositivo Desafiador

O Transtorno Opositivo Desafiador (TOD) é caracterizado por comportamentos desafiadores/desobedientes, hostis, impulsivos e negativistas por parte da criança ou adolescente, especialmente na relação com seus pais ou figuras de autoridade de uma forma geral. Há...

ler mais
Hiperfoco no TDAH

Hiperfoco no TDAH

No TDAH ocorre um prejuízo em regular a própria atenção, dificuldade em prestar atenção voluntariamente e no gerenciamento de tempo. Não só a distração, mas também o hiperfoco pode ser observado em algumas pessoas com Déficit de Atenção e Hiperatividade. O cérebro no...

ler mais
TEA – Dicas para os professores em sala de aula

TEA – Dicas para os professores em sala de aula

TEA - Dicas para os professores em sala de aula 1- Estar atentos e falar sobre os interesses dos alunos com autismo é uma maneira de obter vínculo, além de possibilitar variação para novos aprendizados. 2- Evitar usar frases com sentido figurado, duplo sentido,...

ler mais
Hiperfoco no Autismo

Hiperfoco no Autismo

Hiperfoco pode ser definido como uma forma intensa de concentração em um mesmo assunto, tópico ou tarefa e é bastante frequente em pessoas com transtorno do espectro autista(TEA), sendo um padrão de comportamento restrito e repetitivo. O hiperfoco também pode estar...

ler mais
Jogo Simbólico no Autismo

Jogo Simbólico no Autismo

O jogo simbólico é importante para o desenvolvimento da linguagem verbal e não verbal; do comportamento social; habilidades emocionais, cognitivas possibilitando recursos para o desenvolvimento. Para brincar de faz de conta é preciso pensar, elaborar, construir e...

ler mais
Imitação no Autismo

Imitação no Autismo

A imitação é uma habilidade fundamental para a aprendizagem em todas as esferas do desenvolvimento e em qualquer etapa de nossas vidas. Desde bebê aprendemos de acordo com experiências vividas através da observação e imitação. Observando o outro, nossos pares,...

ler mais
Contato visual no autismo

Contato visual no autismo

O contato visual é uma importante via para a comunicação, relações sociais e interpessoais, experiências e aprendizado. Para pessoas com autismo, o contato visual pode ser desconfortável pois fornece muitas informações e hiperestimula um cérebro já hiperexcitado. Já...

ler mais