Blog

Como a neurociência explica as birras?

03/03/2021

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre outras.

Especialmente até os 4 anos, a criança usa mais seu cérebro primitivo, reagindo emocionalmente a situações estressantes com repostas mais instintivas, imediatas, de sobrevivência. À medida que os anos vão passando, a região mais anterior do córtex pré-frontal vai amadurecendo, conferindo maior capacidade de pensamento crítico, reflexivo, de planejamento e solução de problemas; e é somente por volta dos 25 anos que a parte mais racional desta região estará completamente amadurecida. Somado a isso, na primeira infância, as crianças nem sempre apresentam repertório verbal necessário para expressar suas emoções ou conseguem nomear seus sentimentos. Lidar com frustrações e contornar problemas é, assim, mais difícil, e a forma de se expressar passa a ser através de birras.

Precisamos, porém, estarmos atentos a episódios de birras excessivas que podem estar associadas a transtornos do neurodesenvolvimento.(GOUVEIA, 2009).

Diante de uma birra, precisamos ajudar a criança em vez de simplesmente repreendê-la. Nem sempre é fácil. Os esforços devem ser no sentido de ajudar a criança a se acalmar, lembrando que ela não costuma conseguir fazer isso sozinha. O ideal é levar a criança para um espaço onde ela possa se expressar e se acalmar. Se possível, redirecione a atenção para outra coisa. Olhe nos olhos, não aja com agressividade, nem diga nada negativo. Se possível, negocie. Se souber que algo pode desencadear birra, antecipe, explique de maneira que ela possa compreender.

Seja sensível, lembre-se que a criança não tem habilidades de autorregulação emocional, e, portanto, depende das suas. Quando temos essa consciência, conseguimos olhar com mais sensibilidade para nossas crianças e nos desligarmos um pouco mais dos “olhares alheios”, com tranquilidade e maior entendimento.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtorno de Humor Bipolar

Transtorno de Humor Bipolar

O Transtorno Bipolar (TB) é caracterizado por alterações de humor que vão de episódios depressivos a episódios de mania (sintomas relacionados a humor elevado), com ciclos que podem durar de dias até meses. Os critérios diagnósticos do DSM 5 incluem mudanças...

ler mais
Lateralidade – Canhotismo

Lateralidade – Canhotismo

Em torno de 10-12% das pessoas são canhotas, o que está relacionado com a lateralidade e é uma habilidade inata. A determinação da lateralidade parece ter influência genética. Pais destros tem a chance de ter um filho canhoto em torno de 10%; se um dos pais é...

ler mais
Enriquecimento do ambiente

Enriquecimento do ambiente

Enriquecimento do ambiente consiste em oferecer para seus filhos um ambiente rico em experiências e estímulos sensoriais, motores, cognitivos, afetivos e relacionais com o objetivo de potencializar o desenvolvimento em todas as áreas. A ideia é que pais e...

ler mais
Contação de histórias e Desenvolvimento Infantil

Contação de histórias e Desenvolvimento Infantil

Contar histórias além de proporcionar momentos prazerosos em família permite que a criança trabalhe suas emoções e afetos, a linguagem (por exemplo, recontando trechos da história, “adivinhando” o que vai acontecer a seguir, aumentando seu repertório de...

ler mais
Janelas de Oportunidades

Janelas de Oportunidades

Os primeiros anos de vida são períodos sensíveis para a aprendizagem de habilidades, desenvolvimento de aptidões e competências de modo mais facilitado, configurando as chamadas janelas de oportunidades. Janelas de oportunidade são períodos em que o aprendizado de...

ler mais
PECS – Sistema de Comunicação por Troca de Figuras

PECS – Sistema de Comunicação por Troca de Figuras

Podemos nos comunicar de diversas maneiras e isso permite nos relacionarmos com as pessoas e o mundo ao nosso redor. No Transtorno do Espectro Autista (TEA), há comprometimento em maior ou menor grau na linguagem receptiva, expressiva e na comunicação social. Não...

ler mais