Blog

Como trabalhar cognição social no Transtorno do Espectro Autista

08/04/2021

Trabalhar a cognição social é essencialmente estimular habilidades sociais que são regras e/ou costumes que orientam nossas relações interpessoais. Alguns exemplos: olhar nos olhos, compartilhar objetos, saber o momento de falar e de escutar em uma conversa, aprender a gerenciar as próprias emoções, entender como os outros se sentem etc.

No Transtorno do Espectro Autista (TEA), essas habilidades precisam ser ensinadas/treinadas por meio de estratégias– que, idealmente, envolverão família, equipe multidisciplinar e escola – e do uso de reforço positivo. Algumas estratégias eficientes:

🧩Utilização de histórias sociais que mostrem um passo-a-passo acessível a respeito de comportamentos esperados para a resolução de problemas do dia a dia;
🧩Uso de situações cotidianas para estimular a Teoria da Mente. Ex.: a criança com TEA briga com um colega e tem dificuldade em entender que ele não gostou do que aconteceu. A melhor estratégia é chamar o colega e pedir que ele explique o que sentiu diante da briga. Isso é essencial para ajudar no processo de compreensão sobre o que o outro pensa e predizer comportamentos (habilidade que precisa ser estimulada no TEA).
🧩Utilização de histórias sociais associadas a perguntas que ajudem a compreender Teoria da Mente.
🧩Utilização de fotos/imagens para reconhecimento das emoções (“triste”, “feliz”, “com medo”). Respeitar a etapa do aprendizado em que a criança se encontra, para explicar o que causou cada emoção – trabalhando, como ex., Estilo de Atribuição (capacidade de conseguir estabelecer relação de causa e efeito).
🧩Brincadeiras em grupo, onde, junto aos pares, será possível estimular, na prática, as mais diversas habilidades sociais (como cumprimentar, olhar nos olhos, compartilhar, esperar a vez, momento de escutar e de falar etc.).
🧩Uso adequado de vídeos e/ou jogos online que ajudem a compreender linguagem corporal e comunicação de forma geral.

Essas são apenas dicas gerais, pois as estratégias deverão ser elaboradas de maneira individual após avaliação do repertório da criança com TEA, respeitando suas particularidades.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Depressão na infância e adolescência

Depressão na infância e adolescência

A prevalência mundial de depressão na faixa etária de 6 a 12 anos aumentou de 4,5% para 8% na última década, segundo a OMS; sendo praticamente a mesma entre meninos e meninas. Na adolescência, a prevalência é maior em meninas. Identificar os sinais precocemente (que...

ler mais
Autismo X Bullying

Autismo X Bullying

Crianças e adolescentes com TEA podem ser alvo de bullying mais frequentemente devido às suas particularidades. Dificuldades de socialização; interesses mais restritos; dificuldades em iniciar ou manter uma conversa que não seja do interesse, em entender pistas...

ler mais
TDAH X Bullying

TDAH X Bullying

Bullying é a prática de atos agressivos verbais, físicos e/ou psicológicos; intencionais e repetitivos com características de perseguição contra uma vítima. A vítima fica exposta, intimidada e se sentindo humilhada. O autor ou autores de bullying geralmente são...

ler mais
Shutdown e Autismo

Shutdown e Autismo

Shutdown é um termo por vezes utilizado para nomear um comportamento reacional a uma sobrecarga emocional e sensorial, a situações estressantes e/ou de ansiedade extrema. Pode acontecer com qualquer indivíduo e em qualquer idade, porém, em pessoas com autismo pode...

ler mais
Síndrome do Pânico na infância e adolescência

Síndrome do Pânico na infância e adolescência

A Síndrome do Pânico é um transtorno ansioso mais comum entre adultos, mas pode ocorrer em crianças e adolescentes. Caracteriza-se por “crise de pânico” (medo intenso que algo ruim aconteça sem motivo aparente) que pode acompanhar sintomas físicos (tremor, tontura,...

ler mais
Ecolalia no autismo

Ecolalia no autismo

A ecolalia caracteriza-se pela reprodução repetitiva de palavras, sílabas ou frases- a criança fica repetindo aquilo que ela ou o interlocutor acabou de falar (ecolalia imediata), pode ainda reproduzir falas de desenhos ou filmes após um tempo mais significativo...

ler mais
Autismo leve/Asperger X Superdotação/Altas Habilidades

Autismo leve/Asperger X Superdotação/Altas Habilidades

Cerca de 3,5-5% da população apresenta superdotação ou altas habilidades (SD/AH) caracterizada por desempenho elevado quando comparado aos pares, de forma isolada ou combinada, em uma ou mais áreas: conhecimento acadêmico geral ou específico, capacidade psicomotora,...

ler mais
Comunicação suplementar e/ou alternativa (CSA) no autismo

Comunicação suplementar e/ou alternativa (CSA) no autismo

A  linguagem não envolve somente o desenvolvimento da fala. Podemos nos comunicar de diversas maneiras e a comunicação é a forma de nos relacionarmos com as pessoas e o mundo ao nosso redor. Pessoas com autismo apresentam comprometimento em maior ou menor grau na...

ler mais