Blog

Como trabalhar cognição social no Transtorno do Espectro Autista

08/04/2021

Trabalhar a cognição social é essencialmente estimular habilidades sociais que são regras e/ou costumes que orientam nossas relações interpessoais. Alguns exemplos: olhar nos olhos, compartilhar objetos, saber o momento de falar e de escutar em uma conversa, aprender a gerenciar as próprias emoções, entender como os outros se sentem etc.

No Transtorno do Espectro Autista (TEA), essas habilidades precisam ser ensinadas/treinadas por meio de estratégias– que, idealmente, envolverão família, equipe multidisciplinar e escola – e do uso de reforço positivo. Algumas estratégias eficientes:

🧩Utilização de histórias sociais que mostrem um passo-a-passo acessível a respeito de comportamentos esperados para a resolução de problemas do dia a dia;
🧩Uso de situações cotidianas para estimular a Teoria da Mente. Ex.: a criança com TEA briga com um colega e tem dificuldade em entender que ele não gostou do que aconteceu. A melhor estratégia é chamar o colega e pedir que ele explique o que sentiu diante da briga. Isso é essencial para ajudar no processo de compreensão sobre o que o outro pensa e predizer comportamentos (habilidade que precisa ser estimulada no TEA).
🧩Utilização de histórias sociais associadas a perguntas que ajudem a compreender Teoria da Mente.
🧩Utilização de fotos/imagens para reconhecimento das emoções (“triste”, “feliz”, “com medo”). Respeitar a etapa do aprendizado em que a criança se encontra, para explicar o que causou cada emoção – trabalhando, como ex., Estilo de Atribuição (capacidade de conseguir estabelecer relação de causa e efeito).
🧩Brincadeiras em grupo, onde, junto aos pares, será possível estimular, na prática, as mais diversas habilidades sociais (como cumprimentar, olhar nos olhos, compartilhar, esperar a vez, momento de escutar e de falar etc.).
🧩Uso adequado de vídeos e/ou jogos online que ajudem a compreender linguagem corporal e comunicação de forma geral.

Essas são apenas dicas gerais, pois as estratégias deverão ser elaboradas de maneira individual após avaliação do repertório da criança com TEA, respeitando suas particularidades.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Imitação e Fala

Imitação e Fala

Desde muito cedo, somos capazes de imitar expressões faciais, gestos, sons, entonação, ações, etc. Bebês e crianças são naturalmente observadores e, assim, aprendem a imitar e adquirem os mais diversos aprendizados. A habilidade de imitar é um dos pré-requisitos para...

ler mais
Como trabalhar Inteligência Emocional em crianças com TEA

Como trabalhar Inteligência Emocional em crianças com TEA

Diante dos desafios que a própria condição impõe, torna-se essencial trabalhar a inteligência emocional junto à criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Quando a criança aprende a nomear e reconhecer as emoções, ela passa não só a compreendê-las e...

ler mais
Inteligência emocional e Transtorno do Espectro Autista

Inteligência emocional e Transtorno do Espectro Autista

Ao contrário do que alguns pensam, as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) têm sentimentos, desejam expressar tais sentimentos, se relacionar, mas, muitas vezes, podem não saber como. Essa, porém, não é uma regra: na prática clínica, observa-se que...

ler mais
Posicionamento da  SBP sobre o retorno às aulas

Posicionamento da SBP sobre o retorno às aulas

A reabertura das escolas em meio à pandemia da Covid-19 ainda divide "opiniões". Por um lado, o risco de contágio especialmente neste momento em que o Brasil tem apresentado altos índices de contaminação; por outro, a preocupação com os impactos negativos relacionados...

ler mais
Brincadeiras para trabalhar imitação

Brincadeiras para trabalhar imitação

Brincadeiras simples de imitação proporcionam diversão e muito aprendizado! A imitação deve ser consolidada na infância e é pré-requisito para que novos aprendizados em qualquer contexto social sejam mais facilmente incorporados, como desenvolvimento motor, da...

ler mais
Gaming Disorder

Gaming Disorder

A Organização Mundial de Saúde (OMS) atualizou a 11ª edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde -CID-11 (instrumento necessário para se avaliar o estado de bem-estar de uma população ou de um país) em 18 de junho...

ler mais
Há benefícios no uso de telas?

Há benefícios no uso de telas?

Já sabemos que os estímulos off-line, o brincar, as relações, não podem ser substituídos por telas. Da mesma forma, devemos reconhecer que a tecnologia não pode ser vista somente como “vilã”: quando utilizada de forma adequada, associada a outros meios de percepção do...

ler mais
Recomendações para o uso de telas

Recomendações para o uso de telas

Diante dos riscos que a exposição excessiva a telas oferece à saúde mental e física das crianças, temos recomendações claras de como elas devem ou não ser utilizadas. Principais orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP): ✅Evitar a exposição de crianças...

ler mais
Riscos da exposição excessiva ao ambiente digital

Riscos da exposição excessiva ao ambiente digital

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) já tem alertado, há algum tempo, que as experiências adquiridas por meio das telas, se não forem reguladas, poderão impactar significativamente no comportamento e qualidade de vida de crianças e adolescentes, com consequências...

ler mais
O impacto da exposição a telas no desenvolvimento cerebral

O impacto da exposição a telas no desenvolvimento cerebral

Muitos estudos têm avaliado como o aumento do tempo de exposição a telas influencia no cérebro das crianças e o quanto isso afeta a capacidade delas se desenvolverem plenamente. A primeira infância é um período muito sensível e rico para o desenvolvimento sensório...

ler mais