Blog

Frustrações e comportamentos disruptivos no Transtorno do Espectro Autista

18/08/2021

No Transtorno do Espectro Autista (TEA), frequentemente há dificuldades em lidar com frustrações devido a particularidades da condição, como inflexibilidade cognitiva, interesses restritos, dificuldades em regular os próprios sentimentos, déficits na linguagem receptiva e expressiva.

A criança/o adolescente pode se sentir frustrada/o quando tenta ganhar atenção, fugir ou se esquivar de demandas, ter acesso a reforçador; quando tem dificuldade de se autorregular em sobrecargas sensoriais etc. Dessa forma, comportamentos disruptivos podem emergir, já que existem déficits na comunicação de estados emocionais, necessidades, na autorregulação, entre outros.

Comportamentos disruptivos que estão sob controle de frustração podem ser descritos como respostas indesejadas emitidas como gritos, choros, se jogar no chão; arremessar/quebrar objetos; auto/heteroagressividade; comportamentos autolesivos (bater a cabeça, se morder) etc.

Devemos lembrar que comportamento é algo que se aprende e, dessa forma, pode ser modificado! Se tais comportamentos são emitidos e reforçados (a criança consegue o que quer e/ou ganha atenção), há grande probabilidade de haver repetição em situações semelhantes. Isso porque, se há reforço contingente a um comportamento, nosso cérebro “seleciona” tal comportamento como “útil”.

Levando em conta as particularidades do TEA e características de cada criança/adolescente, deverão ser pensadas estratégias no sentido de regular essas respostas às frustrações. O primeiro passo será sempre analisar todo o contexto que envolve: situações de frustração, comportamento e acesso a reforço, para, então, sabermos como não reforçar. A equipe multiprofissional que já acompanha a criança certamente poderá ajudar nessa análise e com orientações específicas.

Não existe uma “fórmula pronta”, mas, algumas dicas são:

– Antecipar, dar previsibilidade sobre possíveis situações nas quais a criança possa emitir esses comportamentos é importante. Assim como tentar o diálogo, explicar quantas vezes forem necessárias (utilizar-se de gestos, pistas visuais, linguagem adequada) e cumprir combinados;

-Nem sempre conseguiremos antecipar. E a orientação, em geral, é não reforçar o comportamento, ou seja, não ceder, mas, ao mesmo tempo, não entrar em conflito;

– No caso de disruptivos que se sabe que seguramente são mantidos por atenção, a estratégia pode ser não dar atenção a tais respostas e, ao cessar, direcionar para comportamentos mais adaptativos. Se riscos, proteger a criança ou conter, sem reforçar;

– No caso de comportamentos (por exemplo, o choro) com o objetivo de pedir algo, não reforçar –  o que não é o mesmo do que “ignorar a criança”, mas, sim, ensinar a forma correta de se pedir aquilo que ela deseja, seja apontando, seja dando dica verbal para que ela verbalize;

– Manter a demanda quando o comportamento acontecer por esquiva ou fuga da demanda;

– Usar de elogio social diante de comportamentos apropriados, como “Parabéns”, “Ótimo”, “Excelente”, “Isso mesmo”, sempre de forma entusiasmada.

A frustração é importante para o desenvolvimento de qualquer criança, que, aprenderá, aos poucos, a lidar com situações controversas, a ser tolerante e resiliente (capacidade de adaptar-se a mudanças, superar desafios).

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Como trabalhar Inteligência Emocional em crianças com TEA

Como trabalhar Inteligência Emocional em crianças com TEA

Diante dos desafios que a própria condição impõe, torna-se essencial trabalhar a inteligência emocional junto à criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Quando a criança aprende a nomear e reconhecer as emoções, ela passa não só a compreendê-las e...

ler mais
Inteligência emocional e Transtorno do Espectro Autista

Inteligência emocional e Transtorno do Espectro Autista

Ao contrário do que alguns pensam, as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) têm sentimentos, desejam expressar tais sentimentos, se relacionar, mas, muitas vezes, podem não saber como. Essa, porém, não é uma regra: na prática clínica, observa-se que...

ler mais
Posicionamento da  SBP sobre o retorno às aulas

Posicionamento da SBP sobre o retorno às aulas

A reabertura das escolas em meio à pandemia da Covid-19 ainda divide "opiniões". Por um lado, o risco de contágio especialmente neste momento em que o Brasil tem apresentado altos índices de contaminação; por outro, a preocupação com os impactos negativos relacionados...

ler mais
Brincadeiras para trabalhar imitação

Brincadeiras para trabalhar imitação

Brincadeiras simples de imitação proporcionam diversão e muito aprendizado! A imitação deve ser consolidada na infância e é pré-requisito para que novos aprendizados em qualquer contexto social sejam mais facilmente incorporados, como desenvolvimento motor, da...

ler mais
Gaming Disorder

Gaming Disorder

A Organização Mundial de Saúde (OMS) atualizou a 11ª edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde -CID-11 (instrumento necessário para se avaliar o estado de bem-estar de uma população ou de um país) em 18 de junho...

ler mais
Há benefícios no uso de telas?

Há benefícios no uso de telas?

Já sabemos que os estímulos off-line, o brincar, as relações, não podem ser substituídos por telas. Da mesma forma, devemos reconhecer que a tecnologia não pode ser vista somente como “vilã”: quando utilizada de forma adequada, associada a outros meios de percepção do...

ler mais
Recomendações para o uso de telas

Recomendações para o uso de telas

Diante dos riscos que a exposição excessiva a telas oferece à saúde mental e física das crianças, temos recomendações claras de como elas devem ou não ser utilizadas. Principais orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP): ✅Evitar a exposição de crianças...

ler mais
Riscos da exposição excessiva ao ambiente digital

Riscos da exposição excessiva ao ambiente digital

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) já tem alertado, há algum tempo, que as experiências adquiridas por meio das telas, se não forem reguladas, poderão impactar significativamente no comportamento e qualidade de vida de crianças e adolescentes, com consequências...

ler mais
O impacto da exposição a telas no desenvolvimento cerebral

O impacto da exposição a telas no desenvolvimento cerebral

Muitos estudos têm avaliado como o aumento do tempo de exposição a telas influencia no cérebro das crianças e o quanto isso afeta a capacidade delas se desenvolverem plenamente. A primeira infância é um período muito sensível e rico para o desenvolvimento sensório...

ler mais
Exposição às telas X Bloqueio da melatonina nas crianças

Exposição às telas X Bloqueio da melatonina nas crianças

A luz azul emitida pela maioria das telas (tablets, celulares, computadores) contribui para prejuízos na secreção (produção e liberação) da melatonina, hormônio que regula o ciclo do sono e da vigília, além de participar da reparação cerebral, atuar na regulação de...

ler mais