Blog

Masking ou Camuflagem Social e Transtorno do Espectro Autista

14/06/2021

O termo Camuflagem (Masking) social refere-se ao uso de estratégias para minimizar a “visibilidade” das características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) em situações sociais.

Pode se apresentar de três maneiras:
🧩Compensação que prevê copiar comportamentos e falas, criar um roteiro de uma possível interação social etc.;
🧩Mascaramento que seria a monitoração das próprias expressões corporais e faciais, a fim de não demonstrar que a interação social está exigindo um esforço desgastante;
🧩Assimilação que prevê atuação em determinado contexto social, por meio de estratégias, comportamentos e até mesmo de outras pessoas, para passar a impressão de que a interação social está sendo realizada.

Trata-se de um assunto que merece atenção especialmente na adolescência, fase em que se aumentam as demandas sociais, na fase adulta e entre meninas. Vale destacar que a camuflagem pode ser adotada por meninos ou meninas, mas, o que observamos na prática clínica e em estudos é um predomínio em meninas. Isso porque, elas apresentam um cérebro mais social, com maior capacidade para empatia e habilidades comunicativas, além do fato de serem esperados comportamentos socialmente “diferentes” entre meninas e meninos – o que favorece a camuflagem e, consequentemente, torna mais difícil o diagnóstico de TEA no sexo feminino.

A camuflagem social contempla tanto o uso de técnicas conscientes como inconscientes e, de toda maneira, exige um esforço cognitivo considerável – para “mascarar”, assimilar ou compensar esses comportamentos do espectro autista –, impactando com frequência em sofrimento psíquico. Não são raros os casos de adolescentes que se apresentam com quadros de ansiedade, depressão e/ou estresse, por exemplo, e, quando se submetem a uma avaliação especializada, recebem o diagnóstico de TEA já com comorbidades.

Ter conhecimento sobre esse conceito é importante para lançarmos um olhar integral aos nossos adolescentes – inclusive também aos que ainda não receberam seu diagnóstico de TEA, mas apresentam dificuldades expressivas nas situações sociais, além de quadros relacionados a sofrimento psíquico.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Estresse tóxico na infância

Estresse tóxico na infância

O estresse tóxico é definido como um estresse elevado, contínuo, que pode causar danos irreparáveis ao cérebro em desenvolvimento especialmente de crianças pequenas, impactando negativamente em todas as áreas de funcionamento, além de aumentar os riscos para doenças...

ler mais
Desenvolvimento e Autoestima

Desenvolvimento e Autoestima

Crianças com autoestima elevada dispõem-se a arriscar mais, são mais curiosas, motivadas, exploradoras e apresentam maior capacidade de enfrentamento. É importante para o desenvolvimento e fortalecimento emocional certo grau de desafio e frustração. Deve haver um...

ler mais
Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de maio, é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O abuso sexual é o ato praticado por um agente violador, possuidor ou não de autoridade sobre o menor, usando-o para satisfazer seu desejo sexual. É toda e qualquer ação...

ler mais
Nutrição e os primeiros anos de vida

Nutrição e os primeiros anos de vida

A nutrição nos primeiros anos de vida representa uma oportunidade única de impactar positivamente o futuro de nossos “pequenos” em relação aos mais diversos aprendizados e desenvolvimento global: neuropsicomotor, social, pôndero-estatural, saúde física e mental. Uma...

ler mais
Apraxia de fala e Transtorno do Espectro Autista

Apraxia de fala e Transtorno do Espectro Autista

A Apraxia de Fala, pode ser uma comorbidade no Transtorno do Espectro Autista (TEA). Se presente, aumenta as dificuldades para aquisição da fala e fala inteligível. O diagnóstico diferencial ou comórbido pode ser difícil e exige atenção às particularidades de cada...

ler mais
Desenvolvimento pós-natal

Desenvolvimento pós-natal

Com o nascimento o cérebro pode apresentar funcionamento típico ou já apresentar funcionamento ou predisposição a um funcionamento atípico. Há uma programação genética, porém, para que a criança alcance todo o seu potencial, são necessários estímulos e nutrição...

ler mais
Neurodesenvolvimento, genética e ambiente

Neurodesenvolvimento, genética e ambiente

Neurodesenvolvimento envolve o desenvolvimento do sistema nervoso e sua interação com o meio desde as fases mais iniciais e inclui competências motoras, sensoriais, de linguagem e comunicação, comportamentos, competências cognitivas verbais e não verbais, afetos e...

ler mais
Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com TEA, especialmente aqueles mais funcionais ,têm risco aumentado para depressão quando comparados com seus irmãos sem TEA e com a população em geral. Publicado no JAMA Network Open em agosto de 2018, este é um estudo com uma base grande e que continua muito...

ler mais