Blog

Masking ou Camuflagem Social e Transtorno do Espectro Autista

14/06/2021

O termo Camuflagem (Masking) social refere-se ao uso de estratégias para minimizar a “visibilidade” das características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) em situações sociais.

Pode se apresentar de três maneiras:
🧩Compensação que prevê copiar comportamentos e falas, criar um roteiro de uma possível interação social etc.;
🧩Mascaramento que seria a monitoração das próprias expressões corporais e faciais, a fim de não demonstrar que a interação social está exigindo um esforço desgastante;
🧩Assimilação que prevê atuação em determinado contexto social, por meio de estratégias, comportamentos e até mesmo de outras pessoas, para passar a impressão de que a interação social está sendo realizada.

Trata-se de um assunto que merece atenção especialmente na adolescência, fase em que se aumentam as demandas sociais, na fase adulta e entre meninas. Vale destacar que a camuflagem pode ser adotada por meninos ou meninas, mas, o que observamos na prática clínica e em estudos é um predomínio em meninas. Isso porque, elas apresentam um cérebro mais social, com maior capacidade para empatia e habilidades comunicativas, além do fato de serem esperados comportamentos socialmente “diferentes” entre meninas e meninos – o que favorece a camuflagem e, consequentemente, torna mais difícil o diagnóstico de TEA no sexo feminino.

A camuflagem social contempla tanto o uso de técnicas conscientes como inconscientes e, de toda maneira, exige um esforço cognitivo considerável – para “mascarar”, assimilar ou compensar esses comportamentos do espectro autista –, impactando com frequência em sofrimento psíquico. Não são raros os casos de adolescentes que se apresentam com quadros de ansiedade, depressão e/ou estresse, por exemplo, e, quando se submetem a uma avaliação especializada, recebem o diagnóstico de TEA já com comorbidades.

Ter conhecimento sobre esse conceito é importante para lançarmos um olhar integral aos nossos adolescentes – inclusive também aos que ainda não receberam seu diagnóstico de TEA, mas apresentam dificuldades expressivas nas situações sociais, além de quadros relacionados a sofrimento psíquico.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Levando em conta o cenário atual e aproveitando o Purple Day que tem o intuito de aumentar a conscientização sobre a epilepsia, destaco algumas considerações em relação à epilepsia e Covid-19: - Não existem evidências de que pessoas com epilepsia (sem outras condições...

ler mais
Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social resume-se à capacidade de uma pessoa identificar e compreender sinais sociais e saber adequar seus comportamentos às mais diversas situações. Inclui habilidades nas seguintes áreas: - Processamento de emoções: identificar a emoção do outro por meio de...

ler mais
Síndrome de Down e Pandemia

Síndrome de Down e Pandemia

Em meio a pandemia, é importante falar sobre deficiência e maior risco de contrair COVID19. Hoje falarei sobre a Síndrome de Down (T21). Deve ser levado em consideração que pessoas com T21 podem apresentar maior vulnerabilidade e/ou possível desfecho mais grave no...

ler mais
Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Há maior prevalência de distúrbios do sono entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), sendo mais frequente, a insônia. Até 86% das pessoas com TEA apresentam dificuldades para adormecer e/ou permanecer dormindo; sendo os distúrbios do sono 2 a 3 vezes...

ler mais
Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout é o termo usado para uma exaustão de longo prazo associada a consequente desinteresse pelo trabalho e/ou afazeres, sendo esse um quadro comum entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) devido às próprias particularidades da condição. O esgotamento...

ler mais
Terror noturno

Terror noturno

O terror noturno é um distúrbio do sono/parassonia mais prevalente em crianças, especialmente entre os 2 e 5 anos, e tende a melhorar com o amadurecimento, por volta da adolescência. Ocorre por alguns minutos durante o sono, sendo caracterizado por movimentos anormais...

ler mais
Como a neurociência explica as birras?

Como a neurociência explica as birras?

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre...

ler mais
Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

O pareamento ou emparelhamento é uma forma de ensinar o reconhecimento visual dos estímulos do mundo. É habilidade fundamental para todas as crianças, já que trabalha questões visuais, perceptivas e cognitivas. Quando pensamos em particularidades do Transtorno do...

ler mais
Imitação e Fala

Imitação e Fala

Desde muito cedo, somos capazes de imitar expressões faciais, gestos, sons, entonação, ações, etc. Bebês e crianças são naturalmente observadores e, assim, aprendem a imitar e adquirem os mais diversos aprendizados. A habilidade de imitar é um dos pré-requisitos para...

ler mais