Blog

Por que as mulheres com TEA estão mais suscetíveis a relacionamentos abusivos?

10/04/2023

Esse é um tema um tanto delicado, mas muito necessário.

Num relacionamento abusivo existem abusos de caráter físico e/ou emocional, onde essencialmente um indivíduo usa de manipulação para controlar o outro.

Tais abusos podem se apresentar como:

– Agressões físicas ou verbais;
– Ciúme excessivo;
– Tentativa de controle sobre roupas, trabalho, amizades, redes sociais etc.;
– Ofensas e desqualificações, reforçando sentimentos de baixa autoestima, insegurança, culpa.

Alguns fatores que tornam as mulheres com TEA mais suscetíveis a relacionamentos abusivos e dificultam o reconhecimento desse tipo de relação são:

– Sentimento de inadequação, baixa autoestima e necessidade de aceitação

Especialmente a partir da adolescência e juventude, a menina/mulher passa a se perceber “diferente” e pode se sentir “inadequada”, desejando, de toda forma, ser aceita.

Pode se sentir mais excluída, afastada de grupos sociais. E isso pode ser um gatilho para transformar o(a) parceiro(a) em herói, pois ela entende que está sendo amada com todas suas inadequações e se sente grata por isso.

O(a) parceiro(a) passa então a ser sua maior (e talvez única) companhia, sua maior referência de confiança, e tudo que o outro passa a pedir, sugerir, ela tende a acatar.

– Desejo de pertencer e ter alguém para as interações sociais

Ter um(a) parceiro(a) traz a ideia de maior proximidade com a “normalidade” imposta socialmente, tende a fazer com que essa mulher e seus desafios sejam “menos notados”.

E isso leva, muitas vezes, a um relacionamento que ocupa praticamente todo o espaço na vida dessa mulher, afastando-a ainda mais de outras pessoas, grupos e contextos.

– Maior ingenuidade

A pessoa autista, em geral, acredita sobretudo na sinceridade dos outros, não compreende bem os motivos que podem levar uma pessoa a não ser verdadeira. Então tudo que o(a) parceiro(a) fizer, disser, sugerir, tende a ser bem aceito.

– Maior tendência à “Síndrome da Boazinha”

Essa é uma condição caracterizada pela compulsão em agradar e que também pode estar presente entre mulheres com TEA.

Ela evita a todo custo o conflito, não consegue dizer não ou impor limites, o que a torna passiva em suas relações.

– Idealização acerca do amor e relações

A maior ingenuidade, uma baixa autoestima, a literalidade, as dificuldades em contextualizar, em “decifrar” os desejos e expectativas do outro, entre outros pontos, podem contribuir para uma ideia romantizada acerca do amor, dos relacionamentos amorosos.

Isso faz com que, muitas vezes, tudo que seja dito seja integralmente aceito e colocado como ideal, que o(a) parceiro(a) seja visto com perfeição, entre outras possibilidades.

– Déficits na comunicação não-verbal

Dificuldades em compreender as expectativas, os desejos e sentimentos do outro, bem como as informações que as pessoas e o ambiente fornecem, podem dificultar que essa mulher com TEA perceba que “há algo de errado” em seu relacionamento.

Pode haver ainda dificuldades em compreender e expressar os próprios sentimentos em relação ao outro.

Vale reforçar que essas são apenas algumas possibilidades e que cada indivíduo com TEA apresenta características e experiências de vida únicas.

Porém, reconhecer que as características inerentes à própria condição podem impactar essa suscetibilidade a relacionamentos abusivos permite um olhar mais atento e integral a essas meninas e mulheres com TEA, focado também na maneira como se relacionam e enxergam seus relacionamentos amorosos.

Um bom acompanhamento nesse sentido compreende trabalhar o fortalecimento da autoestima em diferentes contextos e apresentar sempre de forma clara e compreensível quais são os aspectos que permeiam relacionamentos interpessoais saudáveis.

 

Por @dradeborahkerches @ellenmanfrim_neuropediatra

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Atenção compartilhada

Atenção compartilhada

A atenção compartilhada (AC) é a habilidade de coordenar a atenção entre dois parceiros comunicativos sociais em relação a um terceiro referencial externo, como um objeto, atividade (Tomasello, 2003), engajando, assim, em uma mesma atividade com o outro,...

ler mais
Transtornos do neurodesenvolvimento

Transtornos do neurodesenvolvimento

Os Transtornos do neurodesenvolvimento são condições que ocorrem devido a alterações no desenvolvimento cerebral que persistem ao longo da vida. Características dos Transtornos do neurodesenvolvimento ✔️ sintomas têm início precoce, antes da idade escolar; ✔️ déficits...

ler mais
Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Quando falamos em Transtorno do Espectro Autista, logo alertamos para a importância do diagnóstico e intervenções precoces, pensando, sobretudo, em aproveitar as janelas de oportunidades da primeira infância, período em que o cérebro se encontra mais “plástico” (ou...

ler mais
Capacidade de atenção

Capacidade de atenção

O tempo estimado no qual uma criança consegue se manter atenta e concentrada em uma atividade é de 3 a 5 minutos por ano da criança. Conforme os anos passam, esse período de atenção deve aumentar. Não devemos avaliar o tempo de atenção quando a criança está na TV ou...

ler mais
AVC e o risco para criançase adolescentes

AVC e o risco para criançase adolescentes

O que é AVC O acidente vascular cerebral pode ser decorrente de um sangramento cerebral (AVC hemorrágico), de uma interrupção do fluxo sanguíneo arterial para uma ou mais áreas cerebrais (AVC isquêmico) ou por uma obstrução venosa cerebral (trombose venosa cerebral,...

ler mais
O que é gagueira?

O que é gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, no qual há uma dificuldade do cérebro em sinalizar o término de um som ou sílaba e passar para o som seguinte. A gagueira não é um hábito adquirido, tampouco um comportamento voluntário. A criança não...

ler mais
Benefícios do brincar para adultos

Benefícios do brincar para adultos

Os benefícios do brincar não se restringem apenas ao período da infância. Brincar com as crianças flexibiliza pensamentos e emoções, estimula o senso de humor, a criatividade, o trabalho em equipe e as relações sociais, habilidades importantes nos mais diversos...

ler mais
O que saber sobre a masturbação infantil

O que saber sobre a masturbação infantil

A masturbação infantil, de forma geral, nada mais é do que uma descoberta para a criança e é natural do desenvolvimento. Algumas crianças, em especial após o desfralde, começam a explorar mais suas partes íntimas podendo descobrir sensações novas de prazer, mas sem...

ler mais
Autoflagelação – Como agir?

Autoflagelação – Como agir?

A autoflagelação/automutilação é uma prática que tem tido um aumento significativo entre os adolescentes e jovens e nem sempre recebe a devida atenção. Embora no Brasil ainda não existam dados concretos, sabe-se que a disseminação do assunto no ambiente virtual indica...

ler mais