Blog

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

17/11/2021

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais.
Um estudo recente, considerado o de maior amostragem com esse objetivo até agora, reavaliou dados de mais de 4 milhões de pessoas nascidas na Suécia, entre 1973 e 2013, chegando à conclusão de que crianças nascidas prematuramente têm mais chances de serem diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) do que aquelas que nasceram a termo.
A prevalência de TEA por idade gestacional ao nascimento, de acordo com o artigo publicado no periódico científico Pediatrics, foi de: 6,1% para nascimentos entre a 22ª a 27ª semana; 2,6% para nascimentos entre a 28ª e 33ª semana; e 1,9% para nascimentos entre a 34ª a 36ª semana. Já entre os bebês nascidos a termo, a porcentagem de TEA foi de 1,4%.

Estudos anteriores também sugerem que essa ligação exista, porém, vale ressaltar, que um não é, necessariamente, causa do outro. Prematuridade e o TEA podem ser vistos juntos, por exemplo, causados por uma anormalidade genética. Além disso, o que sabemos é que possíveis insultos cerebrais junto ao nascimento prematuro podem, em alguns casos, representar um risco maior para o espectro.

Em outro estudo, Lederman (2016) concluiu que prematuros com muito baixo peso (nascidos com menos de 1.500 g) apresentam maior frequência de características sugestivas de TEA do que a população em geral. Com esses resultados, a pesquisa destacou ainda a importância do rastreamento aos 18 meses, através de escalas como M-CHAT e ABC/ICA, para identificar prematuros com atrasos no desenvolvimento, independentemente de eventual diagnóstico posterior de TEA, a fim de chamar a atenção de pais e profissionais para o início das intervenções necessárias precocemente.

Fontes: https://publications.aap.org/pediatrics/article-abstract/148/3/e2020032300/181145/Preterm-or-Early-Term-Birth-and-Risk-of-Autism?redirectedFrom=fulltext

http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2997

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Enriquecimento do ambiente

Enriquecimento do ambiente

Enriquecimento do ambiente consiste em oferecer para seus filhos um ambiente rico em experiências e estímulos sensoriais, motores, cognitivos, afetivos e relacionais com o objetivo de potencializar o desenvolvimento em todas as áreas. A ideia é que pais e...

ler mais
Contação de histórias e Desenvolvimento Infantil

Contação de histórias e Desenvolvimento Infantil

Contar histórias além de proporcionar momentos prazerosos em família permite que a criança trabalhe suas emoções e afetos, a linguagem (por exemplo, recontando trechos da história, “adivinhando” o que vai acontecer a seguir, aumentando seu repertório de...

ler mais
Janelas de Oportunidades

Janelas de Oportunidades

Os primeiros anos de vida são períodos sensíveis para a aprendizagem de habilidades, desenvolvimento de aptidões e competências de modo mais facilitado, configurando as chamadas janelas de oportunidades. Janelas de oportunidade são períodos em que o aprendizado de...

ler mais
PECS – Sistema de Comunicação por Troca de Figuras

PECS – Sistema de Comunicação por Troca de Figuras

Podemos nos comunicar de diversas maneiras e isso permite nos relacionarmos com as pessoas e o mundo ao nosso redor. No Transtorno do Espectro Autista (TEA), há comprometimento em maior ou menor grau na linguagem receptiva, expressiva e na comunicação social. Não...

ler mais