Blog

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

17/11/2021

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais.
Um estudo recente, considerado o de maior amostragem com esse objetivo até agora, reavaliou dados de mais de 4 milhões de pessoas nascidas na Suécia, entre 1973 e 2013, chegando à conclusão de que crianças nascidas prematuramente têm mais chances de serem diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) do que aquelas que nasceram a termo.
A prevalência de TEA por idade gestacional ao nascimento, de acordo com o artigo publicado no periódico científico Pediatrics, foi de: 6,1% para nascimentos entre a 22ª a 27ª semana; 2,6% para nascimentos entre a 28ª e 33ª semana; e 1,9% para nascimentos entre a 34ª a 36ª semana. Já entre os bebês nascidos a termo, a porcentagem de TEA foi de 1,4%.

Estudos anteriores também sugerem que essa ligação exista, porém, vale ressaltar, que um não é, necessariamente, causa do outro. Prematuridade e o TEA podem ser vistos juntos, por exemplo, causados por uma anormalidade genética. Além disso, o que sabemos é que possíveis insultos cerebrais junto ao nascimento prematuro podem, em alguns casos, representar um risco maior para o espectro.

Em outro estudo, Lederman (2016) concluiu que prematuros com muito baixo peso (nascidos com menos de 1.500 g) apresentam maior frequência de características sugestivas de TEA do que a população em geral. Com esses resultados, a pesquisa destacou ainda a importância do rastreamento aos 18 meses, através de escalas como M-CHAT e ABC/ICA, para identificar prematuros com atrasos no desenvolvimento, independentemente de eventual diagnóstico posterior de TEA, a fim de chamar a atenção de pais e profissionais para o início das intervenções necessárias precocemente.

Fontes: https://publications.aap.org/pediatrics/article-abstract/148/3/e2020032300/181145/Preterm-or-Early-Term-Birth-and-Risk-of-Autism?redirectedFrom=fulltext

http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2997

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Síndrome de Rett e Transtorno do Espectro Autista

Síndrome de Rett e Transtorno do Espectro Autista

🧬A Síndrome de Rett (SR) é uma condição do neurodesenvolvimento relativamente rara, genética, ligada ao X, não hereditária, com prevalência em torno de 1/10-20 mil meninas. É associada a mutações no gene MECP2, localizado no cromossomo X, responsável pela produção de...

ler mais
Síndrome de Rubinstein-Taybi

Síndrome de Rubinstein-Taybi

🧬A Síndrome de Rubinstein-Taybi (SRT), é uma síndrome rara, com prevalência estimada em 1:125 mil nascidos vivos. Observam-se baixa estatura, atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, polegares e hálux alargados e angulados, deficiência intelectual, frequentemente...

ler mais
Síndrome Gand e Transtorno do Espectro Autista

Síndrome Gand e Transtorno do Espectro Autista

A Síndrome GAND é um transtorno do neurodesenvolvimento, de origem genética, caracterizado por atraso do desenvolvimento neuropsicomotor e do desenvolvimento intelectual, de moderado a grave. 🧬As crianças evoluem com atraso na aquisição da fala e podem manifestar...

ler mais
Síndrome de Dravet

Síndrome de Dravet

A Síndrome de Dravet (SD) ou epilepsia mioclônica grave da infância é uma forma rara e grave de epilepsia, de origem genética, com crises epilépticas de difícil controle geralmente refratárias a fármacos antiepilépticos, acompanhadas por déficits em várias áreas do...

ler mais
Seu filho consegue permanecer sentado?

Seu filho consegue permanecer sentado?

Ser capaz de permanecer sentado é uma importante habilidade de aprendiz, um comportamento pré-requisito para inúmeros aprendizados, incluindo habilidades acadêmicas como leitura e escrita, além de ser um comportamento socialmente relevante. Precisamos permanecer...

ler mais
Desenvolvimento: cada criança tem seu tempo?

Desenvolvimento: cada criança tem seu tempo?

“Cada criança tem seu tempo, desde que...” Sabemos o quanto um diagnóstico precoce é determinante em casos de Transtorno do Espectro Autista (TEA), pois permitirá que sejam iniciadas o quanto antes as intervenções, possibilitando ganhos mais efetivos no...

ler mais
Masking ou Camuflagem Social e Transtorno do Espectro Autista

Masking ou Camuflagem Social e Transtorno do Espectro Autista

O termo Camuflagem (Masking) social refere-se ao uso de estratégias para minimizar a “visibilidade” das características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) em situações sociais. Pode se apresentar de três maneiras: 🧩Compensação que prevê copiar comportamentos e...

ler mais
Teste do Pezinho

Teste do Pezinho

👣2021 deixará um marco importante relacionado ao Teste do Pezinho, exame que objetiva rastrear doenças raras e graves logo nos primeiros dias de vida do bebê (entre o 2º e 5º dia). 👣Foi sancionada a Lei nº 14.154, ampliando de 6 para 50 o número de doenças rastreadas...

ler mais
Dicas para o desfralde no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Dicas para o desfralde no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

🧷O desfralde é uma fase extremamente importante na vida da criança por estar relacionado ao controle sobre algo que é dela. Envolve autopercepção, maturidade emocional e da musculatura dos esfíncteres anal e vesical. O período de desfralde considerado normal é a...

ler mais