Blog

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

17/11/2021

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais.
Um estudo recente, considerado o de maior amostragem com esse objetivo até agora, reavaliou dados de mais de 4 milhões de pessoas nascidas na Suécia, entre 1973 e 2013, chegando à conclusão de que crianças nascidas prematuramente têm mais chances de serem diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) do que aquelas que nasceram a termo.
A prevalência de TEA por idade gestacional ao nascimento, de acordo com o artigo publicado no periódico científico Pediatrics, foi de: 6,1% para nascimentos entre a 22ª a 27ª semana; 2,6% para nascimentos entre a 28ª e 33ª semana; e 1,9% para nascimentos entre a 34ª a 36ª semana. Já entre os bebês nascidos a termo, a porcentagem de TEA foi de 1,4%.

Estudos anteriores também sugerem que essa ligação exista, porém, vale ressaltar, que um não é, necessariamente, causa do outro. Prematuridade e o TEA podem ser vistos juntos, por exemplo, causados por uma anormalidade genética. Além disso, o que sabemos é que possíveis insultos cerebrais junto ao nascimento prematuro podem, em alguns casos, representar um risco maior para o espectro.

Em outro estudo, Lederman (2016) concluiu que prematuros com muito baixo peso (nascidos com menos de 1.500 g) apresentam maior frequência de características sugestivas de TEA do que a população em geral. Com esses resultados, a pesquisa destacou ainda a importância do rastreamento aos 18 meses, através de escalas como M-CHAT e ABC/ICA, para identificar prematuros com atrasos no desenvolvimento, independentemente de eventual diagnóstico posterior de TEA, a fim de chamar a atenção de pais e profissionais para o início das intervenções necessárias precocemente.

Fontes: https://publications.aap.org/pediatrics/article-abstract/148/3/e2020032300/181145/Preterm-or-Early-Term-Birth-and-Risk-of-Autism?redirectedFrom=fulltext

http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2997

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Estresse tóxico na infância

Estresse tóxico na infância

O estresse tóxico é definido como um estresse elevado, contínuo, que pode causar danos irreparáveis ao cérebro em desenvolvimento especialmente de crianças pequenas, impactando negativamente em todas as áreas de funcionamento, além de aumentar os riscos para doenças...

ler mais
Desenvolvimento e Autoestima

Desenvolvimento e Autoestima

Crianças com autoestima elevada dispõem-se a arriscar mais, são mais curiosas, motivadas, exploradoras e apresentam maior capacidade de enfrentamento. É importante para o desenvolvimento e fortalecimento emocional certo grau de desafio e frustração. Deve haver um...

ler mais
Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de maio, é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O abuso sexual é o ato praticado por um agente violador, possuidor ou não de autoridade sobre o menor, usando-o para satisfazer seu desejo sexual. É toda e qualquer ação...

ler mais
Nutrição e os primeiros anos de vida

Nutrição e os primeiros anos de vida

A nutrição nos primeiros anos de vida representa uma oportunidade única de impactar positivamente o futuro de nossos “pequenos” em relação aos mais diversos aprendizados e desenvolvimento global: neuropsicomotor, social, pôndero-estatural, saúde física e mental. Uma...

ler mais
Apraxia de fala e Transtorno do Espectro Autista

Apraxia de fala e Transtorno do Espectro Autista

A Apraxia de Fala, pode ser uma comorbidade no Transtorno do Espectro Autista (TEA). Se presente, aumenta as dificuldades para aquisição da fala e fala inteligível. O diagnóstico diferencial ou comórbido pode ser difícil e exige atenção às particularidades de cada...

ler mais
Desenvolvimento pós-natal

Desenvolvimento pós-natal

Com o nascimento o cérebro pode apresentar funcionamento típico ou já apresentar funcionamento ou predisposição a um funcionamento atípico. Há uma programação genética, porém, para que a criança alcance todo o seu potencial, são necessários estímulos e nutrição...

ler mais
Neurodesenvolvimento, genética e ambiente

Neurodesenvolvimento, genética e ambiente

Neurodesenvolvimento envolve o desenvolvimento do sistema nervoso e sua interação com o meio desde as fases mais iniciais e inclui competências motoras, sensoriais, de linguagem e comunicação, comportamentos, competências cognitivas verbais e não verbais, afetos e...

ler mais
Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com TEA, especialmente aqueles mais funcionais ,têm risco aumentado para depressão quando comparados com seus irmãos sem TEA e com a população em geral. Publicado no JAMA Network Open em agosto de 2018, este é um estudo com uma base grande e que continua muito...

ler mais