Blog

Trocas de turno comunicativas no Transtorno do Espectro Autista

20/11/2020

As trocas de turno comunicativas consistem em atos comunicativos com trocas interativas, relacionais. Envolve pedir o que deseja para um parceiro social e após, aguardar a resposta e/ou a solicitação deste parceiro, favorecendo uma interação.

Comunicação social é troca. Os atos comunicativos podem ser verbais, vocais, gestuais, por instrumentos de comunicação alternativas.

Trocas de turno comunicativas e Transtorno do Espectro Autista

No Transtorno do Espectro Autista, déficits na linguagem receptiva e expressiva, no comportamento de ouvinte, na intenção e iniciativa comunicativa, na reciprocidade socioemocional, na Teoria da mente, no interesse entre os pares, impactam negativamente neste mecanismo de troca, de dar e receber, de comunicação interativa.

Dessa forma, para “não precisar pedir e compartilhar”, pessoas com TEA costumam se comportar de maneira mais independente ou usar os cuidadores como “ferramenta”, sem interação.

A independência está relacionada ao fazer sem a ajuda do outro, habilidade importante a ser conquistada por todos, porém, no TEA, pode se desenvolver até mais precocemente, consequente às dificuldades de comunicação. Tendo maior independência, a criança, por exemplo, percebe que pode ter tudo o que quer no seu tempo, ao seu modo, sem precisar se comunicar.

Por tudo isso, a troca comunicativa deve sempre ser trabalhada em crianças, adolescentes, adultos com TEA, sendo estes verbais ou não, para que eles aprendam a pedir, tenham iniciativa, se interessem e tenham prazer com esta interação.

Nas crianças, podemos favorecer as trocas de turno comunicativas através de ações simples como criar algumas barreiras à independência da criança para que ela precise se comunicar; repetir o que a criança quer; pedir para ela apontar o que quer (dar o modelo s/n) e após, entregar imediatamente; ofertar brincadeiras que a motivem e que dependam de um parceiro, entre outras.

E… valorizar sempre qualquer forma de comunicação para que a criança se sinta feliz, engajada, motivada e interessada a fazer uma troca comunicativa.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

O brincar no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

O brincar no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

O brincar ocorre de forma natural para crianças com desenvolvimento típico. Crianças no espectro autista, porém, apresentam déficits em diferentes habilidades que fazem com que o brincar seja algo a ser aprendido. Dessa forma, é necessário ensinar a criança a brincar,...

ler mais
Imitação e atividades de vida diárias

Imitação e atividades de vida diárias

A imitação é uma habilidade inata e é essencial para os nossos inúmeros aprendizados. Desde o nascimento vamos sendo apresentados às mais diversas experiências, as quais possibilitam, por meio da observação dos outros, aprender através da imitação de gestos, sons,...

ler mais
Atenção compartilhada

Atenção compartilhada

A atenção compartilhada (AC) é a habilidade de coordenar a atenção entre dois parceiros comunicativos sociais em relação a um terceiro referencial externo, como um objeto, atividade (Tomasello, 2003), engajando, assim, em uma mesma atividade com o outro,...

ler mais
Transtornos do neurodesenvolvimento

Transtornos do neurodesenvolvimento

Os Transtornos do neurodesenvolvimento são condições que ocorrem devido a alterações no desenvolvimento cerebral que persistem ao longo da vida. Características dos Transtornos do neurodesenvolvimento ✔️ sintomas têm início precoce, antes da idade escolar; ✔️ déficits...

ler mais
Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Quando falamos em Transtorno do Espectro Autista, logo alertamos para a importância do diagnóstico e intervenções precoces, pensando, sobretudo, em aproveitar as janelas de oportunidades da primeira infância, período em que o cérebro se encontra mais “plástico” (ou...

ler mais
Capacidade de atenção

Capacidade de atenção

O tempo estimado no qual uma criança consegue se manter atenta e concentrada em uma atividade é de 3 a 5 minutos por ano da criança. Conforme os anos passam, esse período de atenção deve aumentar. Não devemos avaliar o tempo de atenção quando a criança está na TV ou...

ler mais
AVC e o risco para criançase adolescentes

AVC e o risco para criançase adolescentes

O que é AVC O acidente vascular cerebral pode ser decorrente de um sangramento cerebral (AVC hemorrágico), de uma interrupção do fluxo sanguíneo arterial para uma ou mais áreas cerebrais (AVC isquêmico) ou por uma obstrução venosa cerebral (trombose venosa cerebral,...

ler mais
O que é gagueira?

O que é gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, no qual há uma dificuldade do cérebro em sinalizar o término de um som ou sílaba e passar para o som seguinte. A gagueira não é um hábito adquirido, tampouco um comportamento voluntário. A criança não...

ler mais
Benefícios do brincar para adultos

Benefícios do brincar para adultos

Os benefícios do brincar não se restringem apenas ao período da infância. Brincar com as crianças flexibiliza pensamentos e emoções, estimula o senso de humor, a criatividade, o trabalho em equipe e as relações sociais, habilidades importantes nos mais diversos...

ler mais