Blog

Masking ou Camuflagem Social e Transtorno do Espectro Autista

14/06/2021

O termo Camuflagem (Masking) social refere-se ao uso de estratégias para minimizar a “visibilidade” das características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) em situações sociais.

Pode se apresentar de três maneiras:
🧩Compensação que prevê copiar comportamentos e falas, criar um roteiro de uma possível interação social etc.;
🧩Mascaramento que seria a monitoração das próprias expressões corporais e faciais, a fim de não demonstrar que a interação social está exigindo um esforço desgastante;
🧩Assimilação que prevê atuação em determinado contexto social, por meio de estratégias, comportamentos e até mesmo de outras pessoas, para passar a impressão de que a interação social está sendo realizada.

Trata-se de um assunto que merece atenção especialmente na adolescência, fase em que se aumentam as demandas sociais, na fase adulta e entre meninas. Vale destacar que a camuflagem pode ser adotada por meninos ou meninas, mas, o que observamos na prática clínica e em estudos é um predomínio em meninas. Isso porque, elas apresentam um cérebro mais social, com maior capacidade para empatia e habilidades comunicativas, além do fato de serem esperados comportamentos socialmente “diferentes” entre meninas e meninos – o que favorece a camuflagem e, consequentemente, torna mais difícil o diagnóstico de TEA no sexo feminino.

A camuflagem social contempla tanto o uso de técnicas conscientes como inconscientes e, de toda maneira, exige um esforço cognitivo considerável – para “mascarar”, assimilar ou compensar esses comportamentos do espectro autista –, impactando com frequência em sofrimento psíquico. Não são raros os casos de adolescentes que se apresentam com quadros de ansiedade, depressão e/ou estresse, por exemplo, e, quando se submetem a uma avaliação especializada, recebem o diagnóstico de TEA já com comorbidades.

Ter conhecimento sobre esse conceito é importante para lançarmos um olhar integral aos nossos adolescentes – inclusive também aos que ainda não receberam seu diagnóstico de TEA, mas apresentam dificuldades expressivas nas situações sociais, além de quadros relacionados a sofrimento psíquico.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtorno do Estresse Pós-Traumático e TEA

Transtorno do Estresse Pós-Traumático e TEA

O Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT) se apresenta como reação a um evento traumático e envolve memórias recorrentes e intrusivas do(s) evento(s), com consequente entorpecimento emocional, aumento da tensão e do estado de alerta. Geralmente se inicia nos...

ler mais
Síndrome de Rett e Transtorno do Espectro Autista

Síndrome de Rett e Transtorno do Espectro Autista

🧬A Síndrome de Rett (SR) é uma condição do neurodesenvolvimento relativamente rara, genética, ligada ao X, não hereditária, com prevalência em torno de 1/10-20 mil meninas. É associada a mutações no gene MECP2, localizado no cromossomo X, responsável pela produção de...

ler mais
Síndrome de Rubinstein-Taybi

Síndrome de Rubinstein-Taybi

🧬A Síndrome de Rubinstein-Taybi (SRT), é uma síndrome rara, com prevalência estimada em 1:125 mil nascidos vivos. Observam-se baixa estatura, atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, polegares e hálux alargados e angulados, deficiência intelectual, frequentemente...

ler mais
Síndrome Gand e Transtorno do Espectro Autista

Síndrome Gand e Transtorno do Espectro Autista

A Síndrome GAND é um transtorno do neurodesenvolvimento, de origem genética, caracterizado por atraso do desenvolvimento neuropsicomotor e do desenvolvimento intelectual, de moderado a grave. 🧬As crianças evoluem com atraso na aquisição da fala e podem manifestar...

ler mais
Síndrome de Dravet

Síndrome de Dravet

A Síndrome de Dravet (SD) ou epilepsia mioclônica grave da infância é uma forma rara e grave de epilepsia, de origem genética, com crises epilépticas de difícil controle geralmente refratárias a fármacos antiepilépticos, acompanhadas por déficits em várias áreas do...

ler mais
Seu filho consegue permanecer sentado?

Seu filho consegue permanecer sentado?

Ser capaz de permanecer sentado é uma importante habilidade de aprendiz, um comportamento pré-requisito para inúmeros aprendizados, incluindo habilidades acadêmicas como leitura e escrita, além de ser um comportamento socialmente relevante. Precisamos permanecer...

ler mais
Desenvolvimento: cada criança tem seu tempo?

Desenvolvimento: cada criança tem seu tempo?

“Cada criança tem seu tempo, desde que...” Sabemos o quanto um diagnóstico precoce é determinante em casos de Transtorno do Espectro Autista (TEA), pois permitirá que sejam iniciadas o quanto antes as intervenções, possibilitando ganhos mais efetivos no...

ler mais
Teste do Pezinho

Teste do Pezinho

👣2021 deixará um marco importante relacionado ao Teste do Pezinho, exame que objetiva rastrear doenças raras e graves logo nos primeiros dias de vida do bebê (entre o 2º e 5º dia). 👣Foi sancionada a Lei nº 14.154, ampliando de 6 para 50 o número de doenças rastreadas...

ler mais
Dicas para o desfralde no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Dicas para o desfralde no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

🧷O desfralde é uma fase extremamente importante na vida da criança por estar relacionado ao controle sobre algo que é dela. Envolve autopercepção, maturidade emocional e da musculatura dos esfíncteres anal e vesical. O período de desfralde considerado normal é a...

ler mais