Blog

Autismo e a inclusão escolar

27/08/2019

A inclusão escolar não é só um desejo, mas um direito da pessoa com autismo. Nenhuma escola, pública ou privada, pode negar a matrícula de um autista ou cobrar por um professor auxiliar ou mediador escolar, quando necessário.

Inclusão escolar não significa inserir a criança ou adolescente com autismo no ambiente escolar, começa antes mesmo da recepção do aluno. Os professores e a equipe devem conhecer as particularidades e necessidades de cada aluno com autismo e em conjunto com os pais e profissionais, auxiliar no plano educacional individualizado e colocar em prática estratégias que promovam o desenvolvimento de habilidades sociais, comunicativas, pedagógicas e de autonomia.

À escola cabe a adaptação do conteúdo escolar, capacitar, humanizar professores e equipe. É importante que flexibilize horário de entrada, saída, alimentação, quando houver necessidade. Muitas vezes, o aluno com autismo se desregula no horário da entrada devido aos inúmeros estímulos auditivos e visuais, uma dica é que ele entre antes ou após este momento. Os professores, além de acompanhar de perto o aprendizado, devem reforçar junto aos demais alunos da classe a importância do respeito e do acolhimento em relação ao colega com autismo.

Usar da previsibilidade, imagens, quadros de rotina, histórias sociais, trabalhar com o concreto, manter o aluno próximo ao professor e usar de assuntos de interesse na hora de ensinar são algumas das estratégias que auxiliam o aprendizado e desenvolvimento do aluno com autismo na escola.

Em muitos casos, faz-se necessário um professor auxiliar ou um acompanhante terapêutico que estará ao lado do aluno em sala de aula e em contato direto com os pais e com a equipe que o acompanha, tornando as adaptações necessárias mais simples, visando sempre o desenvolvimento integral da criança ou adolescente com autismo. Um ambiente escolar acolhedor e humanizado, propicia inúmeras possibilidades de aprendizado e desenvolvimento social e relacional não só para os alunos com autismo, mas para todos que terão oportunidades de aprender sobre diferenças, amor, respeito e se tornarem adultos capazes de fazer a diferença na sociedade.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

O que é gagueira?

O que é gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, no qual há uma dificuldade do cérebro em sinalizar o término de um som ou sílaba e passar para o som seguinte. A gagueira não é um hábito adquirido, tampouco um comportamento voluntário. A criança não...

ler mais
Benefícios do brincar para adultos

Benefícios do brincar para adultos

Os benefícios do brincar não se restringem apenas ao período da infância. Brincar com as crianças flexibiliza pensamentos e emoções, estimula o senso de humor, a criatividade, o trabalho em equipe e as relações sociais, habilidades importantes nos mais diversos...

ler mais
O que saber sobre a masturbação infantil

O que saber sobre a masturbação infantil

A masturbação infantil, de forma geral, nada mais é do que uma descoberta para a criança e é natural do desenvolvimento. Algumas crianças, em especial após o desfralde, começam a explorar mais suas partes íntimas podendo descobrir sensações novas de prazer, mas sem...

ler mais
Autoflagelação – Como agir?

Autoflagelação – Como agir?

A autoflagelação/automutilação é uma prática que tem tido um aumento significativo entre os adolescentes e jovens e nem sempre recebe a devida atenção. Embora no Brasil ainda não existam dados concretos, sabe-se que a disseminação do assunto no ambiente virtual indica...

ler mais
Paralisia Cerebral

Paralisia Cerebral

O Dia Mundial da Paralisia Cerebral tem o objetivo de alertar sobre a necessidade de conscientização, respeito e inclusão das pessoas com paralisia cerebral (encefalopatia crônica não progressiva). A paralisia cerebral é uma condição decorrente de um insulto cerebral...

ler mais
O poder de brincar

O poder de brincar

A primeira prescrição de um pediatra e neuropediatra para uma criança deveria ser: BRINCAR! Este artigo da Academia Americana de Pediatria (“O poder do brincar: um papel pediátrico na promoção do desenvolvimento de crianças pequenas”) reforça que o brincar é uma...

ler mais
Capacitismo

Capacitismo

Capacitismo é a discriminação e o preconceito social contra pessoas com alguma deficiência. Em sociedades capacitistas, a ausência de qualquer deficiência é vista como “o normal”. Em tempos em que se prega tolerância, neurodiversidade e inclusão, parece um...

ler mais
Puberdade em meninos no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Puberdade em meninos no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

A puberdade é o processo que leva à maturidade sexual e capacidade de reprodução. Em meninos, começa entre 10 e 14 anos e dura por volta de 3 anos. Compreender e lidar com as transformações desta fase, não é tarefa fácil e pode ser ainda mais desafiador para os...

ler mais