Blog

Cérebro feminino e Transtorno do Espectro Autista

04/08/2021

🧠Há particularidades no funcionamento cerebral feminino e comportamentos que impactam na apresentação das características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) e justificam por que o diagnóstico costuma ser mais tardio em meninas.

🧠Estudos sugerem que o cérebro feminino conta com uma densidade maior de neurônios no lobo temporal, área diretamente relacionada a questões perceptivas, cognitivas e emocionais que encontram-se comprometidas no espectro do autismo.
No lobo temporal, a área facial fusiforme é responsável pelo reconhecimento e distinção de expressões faciais, essenciais para compreender estados mentais e predizer o comportamento do outro. O giro temporal superior, por vez, está relacionado com o processamento de informações auditivas e interpretação da fala; já o giro temporal inferior, está relacionado a determinadas caraterísticas da fala, como o controle da entonação, intensidade e melodia (ex.: pelo tom e entonação da voz, compreendemos o estado mental do outro).
Outra característica é a amigdala cerebral (relacionada a respostas emocionais e comportamentos mais impulsivos, instintivos) ser um pouco menor do que no cérebro masculino – possível explicação para o fato de meninas apresentarem menos sintomas externalizantes, que acabam por chamar mais atenção, como agressividade, inquietude e comportamentos inapropriados em geral.
No cérebro feminino, o hipocampo costuma ser maior. E essa estrutura está relacionada à memorização das experiências vividas e, também, com o que sentimos em relação a elas, o que explicaria menores prejuízos emocionais e sociais (mas não menos relevantes), além de uma capacidade de aprendizado mais preservada.

🧠Tudo isso faz com que o cérebro feminino seja naturalmente mais social, flexível, com maior capacidade de imitação, empatia e para habilidades sociais esperadas nos relacionamentos interpessoais. Consequentemente, explica o porquê de alguns sinais do TEA nível 1 (leve) de suporte ficarem mais mascarados entre meninas, adolescentes ou adultas.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

🚨Atualização: No relatório final do site oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS), não consta o código 6A02.4. site: https://icd.who.int/browse11/l-m/en 🧩Dessa forma constam os seguintes códigos para TEA na CID 11. 6A02 – Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)...

ler mais
“O mundo pede saúde mental”

“O mundo pede saúde mental”

O mundo pede saúde mental”. Esse é o alerta da campanha Janeiro Branco de 2022, que chega, mais uma vez, com o objetivo de colocar em pauta questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental. É um convite para que possamos estar atentos à nossa própria saúde mental e...

ler mais

Natal: dicas para crianças com autismo

O período de fim de ano traz à tona aspectos importantes relacionados a particularidades do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Isso porque, acontecimentos e preparativos relacionados às festas de Natal e de Réveillon podem afetar, por diferentes motivos, crianças e...

ler mais
Autismo “leve” X Autismo “severo”

Autismo “leve” X Autismo “severo”

Muitas pessoas com autismo nível 1 (“leve”) relatam o quanto seus desafios costumam ser ignorados ou não valorizados. Isso se aplica ainda mais às meninas e mulheres no espectro nível 1. Da mesma maneira, autistas no nível 3 de suporte (“severo”) podem ter suas...

ler mais
Masking é prejudicial no TEA?

Masking é prejudicial no TEA?

A camuflagem social ou masking envolve um conjunto de estratégias que visam “camuflar”, “mascarar” comportamentos característicos do TEA a fim de se adaptar e atender às expectativas dos mais diversos contextos sociais. A camuflagem social também é uma estratégia...

ler mais
Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais. Um estudo recente, considerado o de maior...

ler mais
O que você sabe sobre gagueira?

O que você sabe sobre gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, que se manifesta na infância, podendo persistir na vida adulta. Até 3-4 anos pode ser considerado disfluência e faz parte do processo da linguagem. Quando persiste ou surge depois dessa idade, merece...

ler mais

Bullying e Transtorno do Espectro Autista

O bullying corresponde à prática de atos intencionais de violência, física ou psicológica, cometidos por um ou mais agressores contra um indivíduo ou grupo. Pode gerar prejuízos significativos na vida de muitas crianças e adolescentes, tendo eles desenvolvimento...

ler mais