Blog

Critérios diagnósticos para o Transtorno de Oposição Desafiante (TOD)

09/08/2021

É importante conhecer os critérios diagnósticos para o Transtorno de Oposição Desafiante (TOD) porque muitos comportamentos inapropriados têm sido diagnosticados como TOD equivocadamente. De acordo com o DSM-5 são:

✅A. Padrão de humor raivoso/irritável, de comportamento questionador/desafiante ou índole vingativa
com duração de ao menos 6 meses, com ao menos 4 sintomas seguintes, na interação com pelo menos um indivíduo que não seja um irmão.

Humor Raivoso/Irritável – Com frequência:
1. Perde a calma.
2. É sensível ou facilmente incomodado.
3. É raivoso e ressentido.

Comportamento Questionador/Desafiante – Frequentemente:
4. Questiona figuras de autoridade ou, no caso de crianças e adolescentes, adultos.
5. Desafia ou se recusa a obedecer regras ou pedidos de figuras de autoridade.
6. Incomoda deliberadamente outras pessoas.
7. Culpa outros por seus erros ou mau comportamento.

Índole Vingativa
8. Foi malvado ou vingativo pelo menos 2 x nos últimos 6 meses.

Exceto se preencher o critério A8; em menores de 5 anos, o comportamento deve ocorrer na maioria dos dias, no mínimo por 6 meses e em maiores de 5 anos, deve ocorrer pelo menos 1x por semana no mínimo 6 meses.
A frequência e intensidade dos comportamentos estão fora do esperado para o nível de desenvolvimento.

✅B. Está associada a sofrimento para o indivíduo ou para os outros em seu contexto social ou causa prejuízos no funcionamento social, educacional, profissional ou outras
áreas importantes da vida do indivíduo.

✅C. Os comportamentos não ocorrem exclusivamente durante o curso de qualquer outro transtorno.

✅Níveis de gravidade:
Leve: Os sintomas limitam-se a apenas 1 ambiente.
Moderada: sintomas presentes em pelo menos 2 ambientes.
Grave: presentes em 3 ou mais ambientes.

✅A prevalência varia de 1-11%, média de 3,3% e é mais prevalente em meninos 1,4:1 antes da adolescência. Pode se apresentar como comorbidade do TEA, TDAH, entre outras condições ou transtornos do neurodesenvolvimento.

✅O tratamento consiste em terapia comportamental, suporte familiar e escolar, e, em alguns casos, farmacoterapia associada.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

🚨Atualização: No relatório final do site oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS), não consta o código 6A02.4. site: https://icd.who.int/browse11/l-m/en 🧩Dessa forma constam os seguintes códigos para TEA na CID 11. 6A02 – Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)...

ler mais
“O mundo pede saúde mental”

“O mundo pede saúde mental”

O mundo pede saúde mental”. Esse é o alerta da campanha Janeiro Branco de 2022, que chega, mais uma vez, com o objetivo de colocar em pauta questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental. É um convite para que possamos estar atentos à nossa própria saúde mental e...

ler mais

Natal: dicas para crianças com autismo

O período de fim de ano traz à tona aspectos importantes relacionados a particularidades do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Isso porque, acontecimentos e preparativos relacionados às festas de Natal e de Réveillon podem afetar, por diferentes motivos, crianças e...

ler mais
Autismo “leve” X Autismo “severo”

Autismo “leve” X Autismo “severo”

Muitas pessoas com autismo nível 1 (“leve”) relatam o quanto seus desafios costumam ser ignorados ou não valorizados. Isso se aplica ainda mais às meninas e mulheres no espectro nível 1. Da mesma maneira, autistas no nível 3 de suporte (“severo”) podem ter suas...

ler mais
Masking é prejudicial no TEA?

Masking é prejudicial no TEA?

A camuflagem social ou masking envolve um conjunto de estratégias que visam “camuflar”, “mascarar” comportamentos característicos do TEA a fim de se adaptar e atender às expectativas dos mais diversos contextos sociais. A camuflagem social também é uma estratégia...

ler mais
Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais. Um estudo recente, considerado o de maior...

ler mais
O que você sabe sobre gagueira?

O que você sabe sobre gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, que se manifesta na infância, podendo persistir na vida adulta. Até 3-4 anos pode ser considerado disfluência e faz parte do processo da linguagem. Quando persiste ou surge depois dessa idade, merece...

ler mais

Bullying e Transtorno do Espectro Autista

O bullying corresponde à prática de atos intencionais de violência, física ou psicológica, cometidos por um ou mais agressores contra um indivíduo ou grupo. Pode gerar prejuízos significativos na vida de muitas crianças e adolescentes, tendo eles desenvolvimento...

ler mais