Blog

Janeiro Branco 2021 prevê discussões sobre Saúde Mental individual e coletiva

05/01/2021

Início de um novo ano e o mês de janeiro sendo, mais uma vez, oportunidade para discussões a respeito da Saúde Mental, através da campanha Janeiro Branco, que é realizada no primeiro mês do ano não por acaso, mas, levando em conta que, nessa época, a maioria das pessoas tende a repensar sua existência, suas relações e seus projetos – o que pode, muitas vezes, gerar ansiedade, assim como frustrações, a partir do momento que algumas se dão conta de que não conseguiram cumprir o que tinham planejado no ano anterior. Esse ano em especial traz o “peso” de estarmos em meio a uma pandemia arrastada e que muito mexeu e ainda está mexendo com a saúde mental das pessoas, de diferentes maneiras.

Agora em 2021, com o tema “Todo cuidado conta”, a campanha faz um convite para que todos se mobilizem – de forma individual e coletiva— a fim de garantir condições públicas e privadas adequadas para que todo ser humano tenha acesso àquilo que protege e fortalece sua saúde mental.

Falar sobre saúde mental é essencial em todas as faixas etárias e nos mais variados contextos. E toda e qualquer pessoa pode ser “agente de Saúde Mental” na vida do outro, por isso, neste ano, a campanha traz essa grande desafio de pensarmos: o que estou fazendo pela minha própria saúde mental? Como posso contribuir para a saúde mental das pessoas com as quais me relaciono? E o que posso fazer em relação às pessoas com as quais ainda não me relaciono, mas que, reconheço, precisam dessa atenção à saúde mental?

Na prática, ações realizadas em casa, no ambiente de trabalho ou de estudo, na igreja, no condomínio e demais locais de convivência, assim como atuações na luta por políticas públicas voltadas para a Saúde Mental de toda a sociedade, podem contribuir com este movimento.

Janeiro Branco: um olhar atento ao Transtorno do Espectro Autista nível 1

O Janeiro Branco é oportunidade também para refletirmos sobre a saúde mental de crianças, adolescentes e adultos no espectro autista. Já se sabe que condições de saúde mental concomitantes são mais prevalentes na população com Transtorno do Espectro Autista (TEA) do que na população em geral, tais como transtornos ansiosos, depressão, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), entre outras.

Isso pede um olhar muito atento, especialmente para os adolescentes e jovens que estão no espectro do autismo nível 1 (leve), já que estes possuem maior consciência sobre suas dificuldades diante da vida em sociedade e, muitas vezes, sentem uma forte cobrança para que ajam de maneira considerada “normal”.

O desejo de pertencer a determinado grupo social, os desafios em se relacionar com os pares e em entender os próprios comportamentos e sentimentos, são apenas alguns dos fatores que podem gerar sofrimento nesses adolescentes com TEA mais funcionais, assim como a possibilidade de bullying e/ou de exclusão nos ambientes de convívio.

A família, pessoas do convívio, assim como profissionais da saúde e da educação, devem estar atentos à saúde mental desse público, de olho em mudanças comportamentais que podem alertar, por exemplo, para quadros de depressão, como: maior isolamento; higiene pessoal precária; uso de roupas que cubram braços e pernas em qualquer situação (o que pode alertar para automutilação ou autoflagelação); perda de prazer em atividades antes prazerosas; recusa em ir à escola; queda de rendimento escolar; alterações de apetite (inapetência ou compulsão alimentar); distúrbios de sono etc.

Porém, mais importante do que estar atento aos sinais, é pensar em agir precocemente, exatamente como prevê a campanha Janeiro Branco deste ano.  Que tenhamos cada vez mais famílias conscientes e comprometidas com a boa saúde mental de seus filhos, além de políticas públicas eficientes e de profissionais da saúde e educadores que trabalhem com um olhar humanizado, lembrando sempre que uma avaliação cuidadosa da saúde mental é um componente essencial nos cuidados com a pessoa com TEA.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

O brincar no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

O brincar no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

O brincar ocorre de forma natural para crianças com desenvolvimento típico. Crianças no espectro autista, porém, apresentam déficits em diferentes habilidades que fazem com que o brincar seja algo a ser aprendido. Dessa forma, é necessário ensinar a criança a brincar,...

ler mais
Imitação e atividades de vida diárias

Imitação e atividades de vida diárias

A imitação é uma habilidade inata e é essencial para os nossos inúmeros aprendizados. Desde o nascimento vamos sendo apresentados às mais diversas experiências, as quais possibilitam, por meio da observação dos outros, aprender através da imitação de gestos, sons,...

ler mais
Atenção compartilhada

Atenção compartilhada

A atenção compartilhada (AC) é a habilidade de coordenar a atenção entre dois parceiros comunicativos sociais em relação a um terceiro referencial externo, como um objeto, atividade (Tomasello, 2003), engajando, assim, em uma mesma atividade com o outro,...

ler mais
Transtornos do neurodesenvolvimento

Transtornos do neurodesenvolvimento

Os Transtornos do neurodesenvolvimento são condições que ocorrem devido a alterações no desenvolvimento cerebral que persistem ao longo da vida. Características dos Transtornos do neurodesenvolvimento ✔️ sintomas têm início precoce, antes da idade escolar; ✔️ déficits...

ler mais
Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Quando falamos em Transtorno do Espectro Autista, logo alertamos para a importância do diagnóstico e intervenções precoces, pensando, sobretudo, em aproveitar as janelas de oportunidades da primeira infância, período em que o cérebro se encontra mais “plástico” (ou...

ler mais
Capacidade de atenção

Capacidade de atenção

O tempo estimado no qual uma criança consegue se manter atenta e concentrada em uma atividade é de 3 a 5 minutos por ano da criança. Conforme os anos passam, esse período de atenção deve aumentar. Não devemos avaliar o tempo de atenção quando a criança está na TV ou...

ler mais
AVC e o risco para criançase adolescentes

AVC e o risco para criançase adolescentes

O que é AVC O acidente vascular cerebral pode ser decorrente de um sangramento cerebral (AVC hemorrágico), de uma interrupção do fluxo sanguíneo arterial para uma ou mais áreas cerebrais (AVC isquêmico) ou por uma obstrução venosa cerebral (trombose venosa cerebral,...

ler mais
O que é gagueira?

O que é gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, no qual há uma dificuldade do cérebro em sinalizar o término de um som ou sílaba e passar para o som seguinte. A gagueira não é um hábito adquirido, tampouco um comportamento voluntário. A criança não...

ler mais
Benefícios do brincar para adultos

Benefícios do brincar para adultos

Os benefícios do brincar não se restringem apenas ao período da infância. Brincar com as crianças flexibiliza pensamentos e emoções, estimula o senso de humor, a criatividade, o trabalho em equipe e as relações sociais, habilidades importantes nos mais diversos...

ler mais