Blog

Janeiro Branco 2021 prevê discussões sobre Saúde Mental individual e coletiva

05/01/2021

Início de um novo ano e o mês de janeiro sendo, mais uma vez, oportunidade para discussões a respeito da Saúde Mental, através da campanha Janeiro Branco, que é realizada no primeiro mês do ano não por acaso, mas, levando em conta que, nessa época, a maioria das pessoas tende a repensar sua existência, suas relações e seus projetos – o que pode, muitas vezes, gerar ansiedade, assim como frustrações, a partir do momento que algumas se dão conta de que não conseguiram cumprir o que tinham planejado no ano anterior. Esse ano em especial traz o “peso” de estarmos em meio a uma pandemia arrastada e que muito mexeu e ainda está mexendo com a saúde mental das pessoas, de diferentes maneiras.

Agora em 2021, com o tema “Todo cuidado conta”, a campanha faz um convite para que todos se mobilizem – de forma individual e coletiva— a fim de garantir condições públicas e privadas adequadas para que todo ser humano tenha acesso àquilo que protege e fortalece sua saúde mental.

Falar sobre saúde mental é essencial em todas as faixas etárias e nos mais variados contextos. E toda e qualquer pessoa pode ser “agente de Saúde Mental” na vida do outro, por isso, neste ano, a campanha traz essa grande desafio de pensarmos: o que estou fazendo pela minha própria saúde mental? Como posso contribuir para a saúde mental das pessoas com as quais me relaciono? E o que posso fazer em relação às pessoas com as quais ainda não me relaciono, mas que, reconheço, precisam dessa atenção à saúde mental?

Na prática, ações realizadas em casa, no ambiente de trabalho ou de estudo, na igreja, no condomínio e demais locais de convivência, assim como atuações na luta por políticas públicas voltadas para a Saúde Mental de toda a sociedade, podem contribuir com este movimento.

Janeiro Branco: um olhar atento ao Transtorno do Espectro Autista nível 1

O Janeiro Branco é oportunidade também para refletirmos sobre a saúde mental de crianças, adolescentes e adultos no espectro autista. Já se sabe que condições de saúde mental concomitantes são mais prevalentes na população com Transtorno do Espectro Autista (TEA) do que na população em geral, tais como transtornos ansiosos, depressão, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), entre outras.

Isso pede um olhar muito atento, especialmente para os adolescentes e jovens que estão no espectro do autismo nível 1 (leve), já que estes possuem maior consciência sobre suas dificuldades diante da vida em sociedade e, muitas vezes, sentem uma forte cobrança para que ajam de maneira considerada “normal”.

O desejo de pertencer a determinado grupo social, os desafios em se relacionar com os pares e em entender os próprios comportamentos e sentimentos, são apenas alguns dos fatores que podem gerar sofrimento nesses adolescentes com TEA mais funcionais, assim como a possibilidade de bullying e/ou de exclusão nos ambientes de convívio.

A família, pessoas do convívio, assim como profissionais da saúde e da educação, devem estar atentos à saúde mental desse público, de olho em mudanças comportamentais que podem alertar, por exemplo, para quadros de depressão, como: maior isolamento; higiene pessoal precária; uso de roupas que cubram braços e pernas em qualquer situação (o que pode alertar para automutilação ou autoflagelação); perda de prazer em atividades antes prazerosas; recusa em ir à escola; queda de rendimento escolar; alterações de apetite (inapetência ou compulsão alimentar); distúrbios de sono etc.

Porém, mais importante do que estar atento aos sinais, é pensar em agir precocemente, exatamente como prevê a campanha Janeiro Branco deste ano.  Que tenhamos cada vez mais famílias conscientes e comprometidas com a boa saúde mental de seus filhos, além de políticas públicas eficientes e de profissionais da saúde e educadores que trabalhem com um olhar humanizado, lembrando sempre que uma avaliação cuidadosa da saúde mental é um componente essencial nos cuidados com a pessoa com TEA.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com TEA, especialmente aqueles mais funcionais ,têm risco aumentado para depressão quando comparados com seus irmãos sem TEA e com a população em geral. Publicado no JAMA Network Open em agosto de 2018, este é um estudo com uma base grande e que continua muito...

ler mais
Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Levando em conta o cenário atual e aproveitando o Purple Day que tem o intuito de aumentar a conscientização sobre a epilepsia, destaco algumas considerações em relação à epilepsia e Covid-19: - Não existem evidências de que pessoas com epilepsia (sem outras condições...

ler mais
Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social resume-se à capacidade de uma pessoa identificar e compreender sinais sociais e saber adequar seus comportamentos às mais diversas situações. Inclui habilidades nas seguintes áreas: - Processamento de emoções: identificar a emoção do outro por meio de...

ler mais
Síndrome de Down e Pandemia

Síndrome de Down e Pandemia

Em meio a pandemia, é importante falar sobre deficiência e maior risco de contrair COVID19. Hoje falarei sobre a Síndrome de Down (T21). Deve ser levado em consideração que pessoas com T21 podem apresentar maior vulnerabilidade e/ou possível desfecho mais grave no...

ler mais
Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Há maior prevalência de distúrbios do sono entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), sendo mais frequente, a insônia. Até 86% das pessoas com TEA apresentam dificuldades para adormecer e/ou permanecer dormindo; sendo os distúrbios do sono 2 a 3 vezes...

ler mais
Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout é o termo usado para uma exaustão de longo prazo associada a consequente desinteresse pelo trabalho e/ou afazeres, sendo esse um quadro comum entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) devido às próprias particularidades da condição. O esgotamento...

ler mais
Terror noturno

Terror noturno

O terror noturno é um distúrbio do sono/parassonia mais prevalente em crianças, especialmente entre os 2 e 5 anos, e tende a melhorar com o amadurecimento, por volta da adolescência. Ocorre por alguns minutos durante o sono, sendo caracterizado por movimentos anormais...

ler mais
Como a neurociência explica as birras?

Como a neurociência explica as birras?

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre...

ler mais
Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

O pareamento ou emparelhamento é uma forma de ensinar o reconhecimento visual dos estímulos do mundo. É habilidade fundamental para todas as crianças, já que trabalha questões visuais, perceptivas e cognitivas. Quando pensamos em particularidades do Transtorno do...

ler mais