Blog

O brincar no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

29/12/2020

O brincar ocorre de forma natural para crianças com desenvolvimento típico. Crianças no espectro autista, porém, apresentam déficits em diferentes habilidades que fazem com que o brincar seja algo a ser aprendido.

Dessa forma, é necessário ensinar a criança a brincar, através de programas bem direcionados que contemplem as diferentes maneiras do brincar, lembrando que todas são essenciais para o pleno desenvolvimento de uma criança, estando ela no espectro autista ou não.

Entre as diferentes maneiras de brincar, podemos destacar: o brincar independente, brincar funcional, brincar simbólico, brincar de faz de conta e o brincar compartilhado.

A importância do brincar independente

No brincar independente, a criança é capaz de engajar-se em atividades com objetos e brinquedos sem precisar da presença de outra pessoa naquele momento para ensinar a função do objeto ou mediar a brincadeira.

É importante para a criança ser capaz de se divertir e aprender sozinha.

O brincar independente:

– Estimula a autonomia e independência;
– Favorece o enfrentamento de situações novas, problemas e a autorregulação emocional;
– Diminui a agitação;
– Estimula a concentração;
– Favorece a imaginação e a criatividade;
– Prepara a criança para a vivência escolar e com seus pares.

Para incentivar a criança a brincar sozinha, é importante criar um espaço seguro para ela dentro de casa, e que esse espaço seja livre de telas e conte com brinquedos e objetos que não demandem ajuda e permitam um brincar independente e criativo, ou seja, que a deixem livre para “criar e controlar o jogo”!

A importância do brincar funcional

No brincar funcional, a criança é capaz de dar função adequada a um ou mais objetos e brinquedos que envolvem a brincadeira, como fazer um carrinho andar em uma pista (e não virá-lo para rodar suas rodinhas), chutar uma bola, colocar um telefone de brinquedo no ouvido etc.

O brincar funcional:

– Faz a criança compreender melhor o mundo ao seu redor, preparando-a para diversas situações sociais;
– Estimula a concentração e a paciência;
– Favorece a criatividade
– Propicia o reconhecimento da lógica e/ou da sequência;
– Estimula a coordenação motora fina e grossa;

– Prepara a criança para a vivência com os pares, entre outros benefícios.

No desenvolvimento neurotípico, o brincar torna-se naturalmente funcional, especialmente a partir da observação e imitação.

No TEA, déficits em diferentes habilidades costumam trazer prejuízos para o desenvolvimento do brincar funcional. A criança pode utilizar os brinquedos/objetos de forma repetitiva ou estereotipada, se interessar mais por partes do brinquedo do que por ele todo, entre outras possibilidades.

O brincar funcional no TEA costuma ser menos elaborado, menos variado e integrado.
Em programas de ensino que envolvam o brincar, são necessárias estratégias a fim de que possamos acessar a criança através da sua maneira de brincar e de seus interesses, podendo, assim, aos poucos, ampliar seu repertório, mostrando a ela as funções adequadas de cada objeto ou brinquedo.

A importância do brincar simbólico

No brincar simbólico e imaginativo, a criança é capaz de usar um objeto ou brinquedo como se fosse outro. A imaginação possibilita que a criança experimente o novo, vislumbre possibilidades. Exemplos: usar uma caixa como se fosse uma casa, uma lata como telefone, folhas como dinheiro etc.

Os benefícios do brincar simbólico são inúmeros, dentre os quais podemos destacar:

– Desenvolve competências de raciocínio e imaginação;
– Trabalha a abstração, levando a criança além do ambiente físico;
– Estimula a flexibilização e a superação de desafios a partir da visualização de novas possibilidades;
– Prepara a criança para as mais diversas interações sociais.

O brincar simbólico revela muita coisa sobre os interesses individuais da criança, suas necessidades e o nível de desenvolvimento cognitivo já alcançado.

A importância do brincar de faz de conta

No brincar de faz de conta, a criança é capaz de atuar, trocar de papéis. Para isso, precisa pensar, abstrair, elaborar, construir e representar, usando a criatividade, o que a prepara para as mais diversas vivências sociais. Exemplo: brincar de médico, de escolinha etc.

São vários os benefícios do faz de conta, como:

– Trabalha a abstração, levando a criança além do ambiente físico;
– Estimula a criatividade e a imaginação;
– Prepara a criança para novas experiências e situações sociais;
– Trabalha a linguagem;
– Estimula o interesse pelo outro e, consequentemente, a habilidade da imitação;
– Permite que a criança expresse seus sentimentos, controle ansiedades e medos;
– Favorece o desenvolvimento da identidade e estimula a afetividade.

As crianças, em geral, começam a ter a capacidade de brincar de faz de conta por volta dos dois anos, e essa habilidade vai ficando mais elaborada gradualmente.

No Transtorno do Espectro Autista (TEA), costuma haver déficits na compreensão acerca do faz de conta, por isso, é essencial que ele seja estrategicamente estimulado entre elas.

Em todos os casos, é essencial que o nível do faz de conta esteja adequado ao desenvolvimento da criança. Vale começar com abstrações bem simples e deixá-las mais complexas gradualmente. Por isso também a atividade precisa ser consistente, ou seja, repetida com frequência.

A importância do brincar compartilhado

O brincar compartilhado (no qual cada parceiro tem sua vez, com trocas de turno comunicativas) configura-se como uma das vias mais importantes de interação e oferece diversos benefícios ao desenvolvimento da criança, como:

– Promove a sensação de pertencimento a um grupo;
– Ajuda na construção da autoestima;
– Promove aprendizado acerca de regras e de como lidar com as frustrações;
– Ensina a criança a dividir e compartilhar;
– Trabalha a linguagem;
– Trabalha a capacidade de reconhecer o momento de falar e de ouvir;
– Prepara a criança para as mais diversas interações sociais futuras;
– Promove o aprendizado acerca de valores e comportamentos;
– Exercita a empatia e estimula a cooperação.

Por tudo isso, o brincar deve sempre ser estimulado ente as crianças e levado a sério! E, especialmente no tratamento do Transtorno do Espectro Autista, devem existir programas bem direcionados nesse sentido, contemplando as diferentes maneiras do brincar, sempre respeitando etapas e particularidades.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Imitação e atividades de vida diárias

Imitação e atividades de vida diárias

A imitação é uma habilidade inata e é essencial para os nossos inúmeros aprendizados. Desde o nascimento vamos sendo apresentados às mais diversas experiências, as quais possibilitam, por meio da observação dos outros, aprender através da imitação de gestos, sons,...

ler mais
Atenção compartilhada

Atenção compartilhada

A atenção compartilhada (AC) é a habilidade de coordenar a atenção entre dois parceiros comunicativos sociais em relação a um terceiro referencial externo, como um objeto, atividade (Tomasello, 2003), engajando, assim, em uma mesma atividade com o outro,...

ler mais
Transtornos do neurodesenvolvimento

Transtornos do neurodesenvolvimento

Os Transtornos do neurodesenvolvimento são condições que ocorrem devido a alterações no desenvolvimento cerebral que persistem ao longo da vida. Características dos Transtornos do neurodesenvolvimento ✔️ sintomas têm início precoce, antes da idade escolar; ✔️ déficits...

ler mais
Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

Quando falamos em Transtorno do Espectro Autista, logo alertamos para a importância do diagnóstico e intervenções precoces, pensando, sobretudo, em aproveitar as janelas de oportunidades da primeira infância, período em que o cérebro se encontra mais “plástico” (ou...

ler mais
Capacidade de atenção

Capacidade de atenção

O tempo estimado no qual uma criança consegue se manter atenta e concentrada em uma atividade é de 3 a 5 minutos por ano da criança. Conforme os anos passam, esse período de atenção deve aumentar. Não devemos avaliar o tempo de atenção quando a criança está na TV ou...

ler mais
AVC e o risco para criançase adolescentes

AVC e o risco para criançase adolescentes

O que é AVC O acidente vascular cerebral pode ser decorrente de um sangramento cerebral (AVC hemorrágico), de uma interrupção do fluxo sanguíneo arterial para uma ou mais áreas cerebrais (AVC isquêmico) ou por uma obstrução venosa cerebral (trombose venosa cerebral,...

ler mais
O que é gagueira?

O que é gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, no qual há uma dificuldade do cérebro em sinalizar o término de um som ou sílaba e passar para o som seguinte. A gagueira não é um hábito adquirido, tampouco um comportamento voluntário. A criança não...

ler mais
Benefícios do brincar para adultos

Benefícios do brincar para adultos

Os benefícios do brincar não se restringem apenas ao período da infância. Brincar com as crianças flexibiliza pensamentos e emoções, estimula o senso de humor, a criatividade, o trabalho em equipe e as relações sociais, habilidades importantes nos mais diversos...

ler mais