Blog

O que é gagueira?

22/10/2020

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, no qual há uma dificuldade do cérebro em sinalizar o término de um som ou sílaba e passar para o som seguinte.

A gagueira não é um hábito adquirido, tampouco um comportamento voluntário. A criança não gagueja para chamar a atenção.

Quais são as causas da gagueira?

A gagueira pode ter causa neurológica, quando secundária a uma lesão ou disfunção cerebral. Parece haver também, em alguns casos, uma interação genética, ou se apresentar como sendo do desenvolvimento.

Acredita-se que as estruturas cerebrais envolvidas com a gagueira sejam os núcleos da base, os quais estão envolvidos com a automatização de tarefas (dirigir, calcular, escrever, falar, etc.). Portanto, a dificuldade central na gagueira estaria em uma automatização deficiente dos movimentos de fala.

Geralmente a dificuldade do cérebro em gerar comandos para terminar um som ou sílaba no tempo previsto manifesta-se externamente como bloqueios, prolongamentos e/ou repetições de sons ou sílabas. Entretanto, também é possível que as manifestações externas não ocorram ou ocorram muito pouco, caracterizando o que é conhecido como gagueira encoberta.

Crianças até os 5 anos podem apresentar disfluência como um processo natural na aquisição e desenvolvimento da linguagem, porém, sempre é necessário avaliação e acompanhamento fonoaudiológico. Quando a gagueira persiste ou surge depois dessa idade, merece maior atenção, pois a falta de tratamento pode levar à cronificação do quadro, com consequentes prejuízos sociais, queda de rendimento escolar e comprometimentos na saúde mental das crianças e adolescentes.

Quais são as principais características da gagueira?   

– prolongamento de sons;

– pausas e/ou repetição de sons e sílabas;

– dificuldade em iniciar determinada palavra, frase ou expressão;

– tensão para emitir uma palavra ou som, entre outras.

Podem ainda ocorrer, associados à dificuldade com a produção dos sons, alguns movimentos involuntários, como tremores de lábios e mandíbula e/ou piscar de olhos durante a fala.

Como se dá o acompanhamento?

O tratamento prevê intervenção fonoaudiológica, com exercícios específicos para as pregas vocais, articulação dos sons e técnicas para desenvolver as características da voz, com o intuito de atenuar os sintomas e promover uma melhor comunicação para a criança.

O envolvimento da família e da escola no tratamento é essencial, pois contribui para resultados mais satisfatórios e para uma inclusão (escolar e social) efetiva.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com TEA, especialmente aqueles mais funcionais ,têm risco aumentado para depressão quando comparados com seus irmãos sem TEA e com a população em geral. Publicado no JAMA Network Open em agosto de 2018, este é um estudo com uma base grande e que continua muito...

ler mais
Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Epilepsia e desafios em meio à pandemia

Levando em conta o cenário atual e aproveitando o Purple Day que tem o intuito de aumentar a conscientização sobre a epilepsia, destaco algumas considerações em relação à epilepsia e Covid-19: - Não existem evidências de que pessoas com epilepsia (sem outras condições...

ler mais
Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social resume-se à capacidade de uma pessoa identificar e compreender sinais sociais e saber adequar seus comportamentos às mais diversas situações. Inclui habilidades nas seguintes áreas: - Processamento de emoções: identificar a emoção do outro por meio de...

ler mais
Síndrome de Down e Pandemia

Síndrome de Down e Pandemia

Em meio a pandemia, é importante falar sobre deficiência e maior risco de contrair COVID19. Hoje falarei sobre a Síndrome de Down (T21). Deve ser levado em consideração que pessoas com T21 podem apresentar maior vulnerabilidade e/ou possível desfecho mais grave no...

ler mais
Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Há maior prevalência de distúrbios do sono entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), sendo mais frequente, a insônia. Até 86% das pessoas com TEA apresentam dificuldades para adormecer e/ou permanecer dormindo; sendo os distúrbios do sono 2 a 3 vezes...

ler mais
Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout é o termo usado para uma exaustão de longo prazo associada a consequente desinteresse pelo trabalho e/ou afazeres, sendo esse um quadro comum entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) devido às próprias particularidades da condição. O esgotamento...

ler mais
Terror noturno

Terror noturno

O terror noturno é um distúrbio do sono/parassonia mais prevalente em crianças, especialmente entre os 2 e 5 anos, e tende a melhorar com o amadurecimento, por volta da adolescência. Ocorre por alguns minutos durante o sono, sendo caracterizado por movimentos anormais...

ler mais
Como a neurociência explica as birras?

Como a neurociência explica as birras?

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre...

ler mais
Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

O pareamento ou emparelhamento é uma forma de ensinar o reconhecimento visual dos estímulos do mundo. É habilidade fundamental para todas as crianças, já que trabalha questões visuais, perceptivas e cognitivas. Quando pensamos em particularidades do Transtorno do...

ler mais