Blog

Psicopatologia de pais e mães de autistas

23/05/2019

Esta revisão e meta-análise publicada em 09/05/19 na Revista científica internacional AUTISM, é a primeira a fornecer estimativas de prevalência de distúrbios psicológicos em pais de crianças com transtorno do espectro autista.

✔️O apoio e suporte aos pais é tão importante quanto o tratamento das crianças e adolescentes com autismo. Pais costumam estar fragilizados com as demandas e expectativas; alguns ainda estão em processo de aceitação.

Os profissionais precisam estar atentos também aos pais, ter um olhar mais sensível, oferecer uma escuta qualificada e orientar sobre a necessidade de se procurar ajuda especializada tão logo identifiquem sinais de sofrimento emocional e mental.

Pais com saúde mental preservada são capazes de contribuir e aderir melhor ao tratamento de seus filhos, o que reflete no sucesso terapêutico e qualidade de vida de todos os envolvidos.

⬇️Confira o resumo do estudo:⬇️ .

Pais de crianças com transtorno do espectro do autismo parecem apresentar altos níveis de sofrimento psíquico, mas pouco se sabe sobre a prevalência de distúrbios psicológicos nessa população. O objetivo desta revisão sistemática e meta-análise foi estimar a proporção desses pais que experimentam psicopatologia clinicamente significativa. Artigos relatando proporções de distúrbios psicológicos em uma amostra de pais de crianças com transtorno do espectro do autismo foram localizados. A busca inicial retornou 25.988 artigos. Trinta e um estudos com uma amostra total de 9208 pais foram incluídos na revisão final. A mediana das proporções meta-analíticas foi de 31% para transtornos depressivos, 33% para transtornos de ansiedade, 10% para transtorno obsessivo-compulsivo, 4% para transtornos de personalidade, 2% para transtornos por uso de álcool e substâncias e 1% para transtornos do espectro da esquizofrenia. Heterogeneidade significativa foi detectada nessas categorias. Mais pesquisas são necessárias para obter mais informações sobre variáveis ​​que podem moderar a psicopatologia parental.

https://doi.org/10.1177%2F1362361319844636

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Benefícios do brincar para adultos

Benefícios do brincar para adultos

Os benefícios do brincar não se restringem apenas ao período da infância. Brincar com as crianças flexibiliza pensamentos e emoções, estimula o senso de humor, a criatividade, o trabalho em equipe e as relações sociais, habilidades importantes nos mais diversos...

ler mais
O que saber sobre a masturbação infantil

O que saber sobre a masturbação infantil

A masturbação infantil, de forma geral, nada mais é do que uma descoberta para a criança e é natural do desenvolvimento. Algumas crianças, em especial após o desfralde, começam a explorar mais suas partes íntimas podendo descobrir sensações novas de prazer, mas sem...

ler mais
Autoflagelação – Como agir?

Autoflagelação – Como agir?

A autoflagelação/automutilação é uma prática que tem tido um aumento significativo entre os adolescentes e jovens e nem sempre recebe a devida atenção. Embora no Brasil ainda não existam dados concretos, sabe-se que a disseminação do assunto no ambiente virtual indica...

ler mais
Paralisia Cerebral

Paralisia Cerebral

O Dia Mundial da Paralisia Cerebral tem o objetivo de alertar sobre a necessidade de conscientização, respeito e inclusão das pessoas com paralisia cerebral (encefalopatia crônica não progressiva). A paralisia cerebral é uma condição decorrente de um insulto cerebral...

ler mais
O poder de brincar

O poder de brincar

A primeira prescrição de um pediatra e neuropediatra para uma criança deveria ser: BRINCAR! Este artigo da Academia Americana de Pediatria (“O poder do brincar: um papel pediátrico na promoção do desenvolvimento de crianças pequenas”) reforça que o brincar é uma...

ler mais
Capacitismo

Capacitismo

Capacitismo é a discriminação e o preconceito social contra pessoas com alguma deficiência. Em sociedades capacitistas, a ausência de qualquer deficiência é vista como “o normal”. Em tempos em que se prega tolerância, neurodiversidade e inclusão, parece um...

ler mais
Puberdade em meninos no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Puberdade em meninos no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

A puberdade é o processo que leva à maturidade sexual e capacidade de reprodução. Em meninos, começa entre 10 e 14 anos e dura por volta de 3 anos. Compreender e lidar com as transformações desta fase, não é tarefa fácil e pode ser ainda mais desafiador para os...

ler mais
Puberdade em meninas com TEA

Puberdade em meninas com TEA

A puberdade é o período de transição da infância para a fase adulta, marcada por diversas transformações físicas, hormonais, emocionais e de maturação do sistema nervoso central. Em meninas, cerca de 2 a 2,5 anos antes da menarca, o corpo já começa a se transformar....

ler mais