Blog

Sinais de alerta para autismo nos 2 primeiros anos de vida

07/11/2020

Quando falamos em Transtorno do Espectro Autista, logo alertamos para a importância do diagnóstico e intervenções precoces, pensando, sobretudo, em aproveitar as janelas de oportunidades da primeira infância, período em que o cérebro se encontra mais “plástico” (ou seja, com maior capacidade de se reestruturar, moldar e aprender).

Especialmente nos 2 primeiros anos de vida, nosso cérebro está em atividade intensa, fazendo novas conexões e circuitos cerebrais. Para se ter uma ideia, um bebê possui mais do que o dobro de sinapses/conexões (responsáveis pela transmissão de “informações” entre neurônios, células musculares e glandulares)e de 5 a 10 vezes mais neurônios do que um adulto.

Essa fase deve ser aproveitada ao máximo para que a criança possa ser estimulada adequadamente e incorporar de maneira consistente os aprendizados.

Sinais de alerta – 2 primeiros anos de vida

Para um diagnóstico precoce, é importante que os pais/cuidadores e profissionais envolvidos com a criança estejam atentos a alguns sinais de alerta para o TEA que podem se manifestar nos 2 primeiros anos de vida, como:

🚨Prejuízos no contato visual, que pode ser observado já nos primeiros meses de vida;

🚨Ausência do sorriso social por volta dos 2 a 4 meses;

🚨Não apresentar reação antecipatória aos 4 meses (não levantar os bracinhos para ser carregado);

🚨Poucas expressões faciais, não fazer o primeiro balbucio, não responder ao ser chamado pelo nome ou à tentativas de interação aos 6 meses;

🚨Não fazer trocas de turno comunicativas, não balbuciar, imitação pobre, não olhar para onde o adulto aponta ou quando chamado pelo nome, não responder às tentativas de interação;

🚨Com 1 ano não falar pelo menos 2 palavras com função (como mamãe e papai), ausência de atenção compartilhada, apresentar déficits nos comportamentos não verbais como não dar tchau, apontar ou mandar beijos. Não brincar funcional;

🚨Com 18 meses não falar pelo menos 6 palavras com função, não saber partes do corpo, não responder em reciprocidade;

🚨Com 2 anos não fazer frases simples de pelo menos 2 palavras, não se comunicar mesmo que de maneira não verbal, não brincar simbólico.

Em qualquer idade, perda de habilidades adquiridas e prejuízos no funcionamento social são sinais de alerta importantes.

Vale lembrar que atrasos no desenvolvimento motor, embora não façam parte dos critérios diagnósticos, são encontrados em até 79% das crianças com TEA.

A identificação dos sinais e as intervenções precoces são importantíssimas para o desfecho do tratamento no TEA, pois favorecem o desenvolvimento, a aprendizagem, a aquisição de novas habilidades, a autonomia, bem como a qualidade de vida das pessoas no espectro e de suas famílias.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Nunca foi tão importante falar sobre Saúde Mental

Nunca foi tão importante falar sobre Saúde Mental

Nunca foi tão importante falar sobre Saúde Mental. O aumento de transtornos ansiosos e transtornos de humor, especialmente depressão, entre adolescentes e jovens têm sido significativo nos últimos anos. A situação torna-se ainda mais preocupante com essa pandemia...

ler mais
Cérebro feminino e Transtorno do Espectro Autista

Cérebro feminino e Transtorno do Espectro Autista

🧠Há particularidades no funcionamento cerebral feminino e comportamentos que impactam na apresentação das características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) e justificam por que o diagnóstico costuma ser mais tardio em meninas. 🧠Estudos sugerem que o cérebro...

ler mais
Cérebro e Neuroplasticidade

Cérebro e Neuroplasticidade

O desenvolvimento do cérebro humano inicia-se ainda no período intrauterino, o que vai estabelecer a arquitetura básica, funcionamento e conectividade cerebral do bebê. Qualquer insulto ou prejuízo já nessa fase pode impactar negativamente em relação à saúde física,...

ler mais
Transtorno de Pânico e Transtorno do Espectro Autista

Transtorno de Pânico e Transtorno do Espectro Autista

O Transtorno de Pânico (TP) é caracterizado por ataques de pânico recorrentes e inesperados (podendo ocorrer mais de 1x no dia) e em pelo menos um dos ataques foi seguido por 1 mês ou mais de preocupação persistente de ter novo ataque e/ou alteração comportamental...

ler mais
Ataque de pânico em crianças

Ataque de pânico em crianças

📌Ataque de pânico é uma crise de intenso medo e/ou ansiedade que atinge seu pico de intensidade em torno de 10 minutos e dura por volta de 10 a 30 minutos, acompanhada de sintomas físicos. Embora “breve”, parece durar uma eternidade. É mais frequente em adultos e...

ler mais
Ataques de pânico noturnos em crianças

Ataques de pânico noturnos em crianças

Ataques de pânico podem ocorrer em qualquer momento do dia, porém, os noturnos apresentam algumas particularidades. Se diferenciam dos diurnos exatamente por serem ainda mais inesperados (sem qualquer previsibilidade sobre sinais que o antecedem). O ataque de pânico...

ler mais
Tratamento no TDAH

Tratamento no TDAH

O TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) é o transtorno neurobiológico mais comum da infância e frequentemente acompanha o indivíduo até a fase adulta. Seu diagnóstico é clínico e possui critérios operacionais bastante claros e definidos. Possui 3...

ler mais