Blog

Transtorno de Pânico e Transtorno do Espectro Autista

19/07/2021

O Transtorno de Pânico (TP) é caracterizado por ataques de pânico recorrentes e inesperados (podendo ocorrer mais de 1x no dia) e em pelo menos um dos ataques foi seguido por 1 mês ou mais de preocupação persistente de ter novo ataque e/ou alteração comportamental decorrente do ataque de pânico.

🧩Embora não exista uma correlação direta, sabemos que algumas características do Transtorno do Espectro Autista (TEA) podem tornar a criança ou o adolescente mais suscetível ao Transtorno de Pânico (assim como a outros transtornos ansiosos ou psiquiátricos), como, por exemplo:
📌Presença de fobias que, em indivíduos com TEA, costumam se mostrar “mais intensas,”;
📌Respostas sensoriais atípicas que podem fazer com que ambientes e situações se tornem aversivos, bem como contribuir para o desenvolvimento de fobias (quando determinados sons, algumas percepções visuais, por exemplo, desencadeiam medos irracionais);
📌Rigidez cognitiva, que inclui dificuldades com mudanças de rotina, em prever e/ou se adaptar a determinadas situações;
📌Prejuízos nas interações sociais que podem fazer com que um compromisso social preocupe e gere expectativas (negativas) excessivas;
📌Literalidade, que pode fazer com que a criança/adolescente com TEA interprete alguma piada, metáfora ou um comentário “ao pé da letra”, de maneira tão negativa a ponto de desencadear medo intenso (por ex., dizer “vai cair o mundo” diante de um temporal pode gerar um medo de dimensão imensurável);
📌Dificuldade em identificar e nomear as próprias emoções, o que também torna mais difícil regulá-las, entre outras características.

✅O TP resulta da interação entre herança genética e a relação do indivíduo com o ambiente – que inclui desde experiências traumáticas até a convivência com adultos ansiosos e/ou estressados (que acabam sendo exemplo para a criança/o adolescente de como encarar a realidade, agir diante dos fatos). Os gatilhos são individuais e é essencial que sejam identificados para que sejam adotadas estratégias no sentido de evitá-los.

✅O tratamento envolve terapia comportamental, rede de apoio, exercícios físicos e, em alguns casos, tratamento farmacológico.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

🚨Atualização: No relatório final do site oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS), não consta o código 6A02.4. site: https://icd.who.int/browse11/l-m/en 🧩Dessa forma constam os seguintes códigos para TEA na CID 11. 6A02 – Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)...

ler mais
“O mundo pede saúde mental”

“O mundo pede saúde mental”

O mundo pede saúde mental”. Esse é o alerta da campanha Janeiro Branco de 2022, que chega, mais uma vez, com o objetivo de colocar em pauta questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental. É um convite para que possamos estar atentos à nossa própria saúde mental e...

ler mais

Natal: dicas para crianças com autismo

O período de fim de ano traz à tona aspectos importantes relacionados a particularidades do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Isso porque, acontecimentos e preparativos relacionados às festas de Natal e de Réveillon podem afetar, por diferentes motivos, crianças e...

ler mais
Autismo “leve” X Autismo “severo”

Autismo “leve” X Autismo “severo”

Muitas pessoas com autismo nível 1 (“leve”) relatam o quanto seus desafios costumam ser ignorados ou não valorizados. Isso se aplica ainda mais às meninas e mulheres no espectro nível 1. Da mesma maneira, autistas no nível 3 de suporte (“severo”) podem ter suas...

ler mais
Masking é prejudicial no TEA?

Masking é prejudicial no TEA?

A camuflagem social ou masking envolve um conjunto de estratégias que visam “camuflar”, “mascarar” comportamentos característicos do TEA a fim de se adaptar e atender às expectativas dos mais diversos contextos sociais. A camuflagem social também é uma estratégia...

ler mais
Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais. Um estudo recente, considerado o de maior...

ler mais
O que você sabe sobre gagueira?

O que você sabe sobre gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, que se manifesta na infância, podendo persistir na vida adulta. Até 3-4 anos pode ser considerado disfluência e faz parte do processo da linguagem. Quando persiste ou surge depois dessa idade, merece...

ler mais

Bullying e Transtorno do Espectro Autista

O bullying corresponde à prática de atos intencionais de violência, física ou psicológica, cometidos por um ou mais agressores contra um indivíduo ou grupo. Pode gerar prejuízos significativos na vida de muitas crianças e adolescentes, tendo eles desenvolvimento...

ler mais