Blog

Epilepsia e desafios em meio à pandemia

26/03/2021

Levando em conta o cenário atual e aproveitando o Purple Day que tem o intuito de aumentar a conscientização sobre a epilepsia, destaco algumas considerações em relação à epilepsia e Covid-19:

– Não existem evidências de que pessoas com epilepsia (sem outras condições associadas) estejam mais suscetíveis a contrair a Covid-19;

– O risco é maior no caso de pessoas epiléticas idosas e/ou com algum comprometimento no sistema imune;

– Pacientes com epilepsia em geral não são considerados imunodeficientes; alguns, porém, podem ter doenças associadas que alteram o sistema imune ou ainda, fazer uso de medicamentos que provoquem algum grau de imunossupressão;

– A epilepsia, por si só, não afeta a evolução da doença. Porém, algumas comorbidades relacionadas a problemas de motricidade, deglutição ou deficiência intelectual podem aumentar o risco de dificuldades respiratórias, entre outros;

– O tratamento antiepilético não aumenta o risco de infeção, por isso, é recomendado manter a medicação habitual mesmo que o paciente esteja infectado pela Covid-19. Mas, cada caso deve ser avaliado com suas particularidades;

– Não há evidências de que a Covid-19, por si só, provoque crises epiléticas. Porém, qualquer infeção, febre (especialmente nas crianças), privação de sono, situações de estresse, falha na administração dos medicamentos, entre outras intercorrências, pode aumentar o risco de crises epiléticas em algumas pessoas.

Vale destacar, por fim, que o isolamento social não deve ser motivo para que o paciente com epilepsia interrompa seu tratamento. E, por mais que a pandemia preveja cuidados na hora de uma pessoa procurar hospitais, existem situações em que o atendimento emergencial não deve ser ignorado, por ex., diante de: crises epilépticas que durem mais de 5 minutos; crises repetidas/reentrantes; em que o paciente demore a retomar a consciência;que fique com algum déficit, entre outros.

Por tudo isso, a conscientização sobre a epilepsia é, mais do que nunca, crucial, tanto para o paciente como para as pessoas que convivem com ele!

Fonte: https://www.ilae.org/patient-care/covid-19-and-epilepsy/for-patients/faqs-in-portuguese

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com autismo e maior risco de depressão

Jovens com TEA, especialmente aqueles mais funcionais ,têm risco aumentado para depressão quando comparados com seus irmãos sem TEA e com a população em geral. Publicado no JAMA Network Open em agosto de 2018, este é um estudo com uma base grande e que continua muito...

ler mais
Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social e Transtorno do Espectro Autista

Cognição social resume-se à capacidade de uma pessoa identificar e compreender sinais sociais e saber adequar seus comportamentos às mais diversas situações. Inclui habilidades nas seguintes áreas: - Processamento de emoções: identificar a emoção do outro por meio de...

ler mais
Síndrome de Down e Pandemia

Síndrome de Down e Pandemia

Em meio a pandemia, é importante falar sobre deficiência e maior risco de contrair COVID19. Hoje falarei sobre a Síndrome de Down (T21). Deve ser levado em consideração que pessoas com T21 podem apresentar maior vulnerabilidade e/ou possível desfecho mais grave no...

ler mais
Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Distúrbios do sono no Transtorno do Espectro Autista

Há maior prevalência de distúrbios do sono entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), sendo mais frequente, a insônia. Até 86% das pessoas com TEA apresentam dificuldades para adormecer e/ou permanecer dormindo; sendo os distúrbios do sono 2 a 3 vezes...

ler mais
Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout e Transtorno do Espectro Autista

Burnout é o termo usado para uma exaustão de longo prazo associada a consequente desinteresse pelo trabalho e/ou afazeres, sendo esse um quadro comum entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) devido às próprias particularidades da condição. O esgotamento...

ler mais
Terror noturno

Terror noturno

O terror noturno é um distúrbio do sono/parassonia mais prevalente em crianças, especialmente entre os 2 e 5 anos, e tende a melhorar com o amadurecimento, por volta da adolescência. Ocorre por alguns minutos durante o sono, sendo caracterizado por movimentos anormais...

ler mais
Como a neurociência explica as birras?

Como a neurociência explica as birras?

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre...

ler mais
Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

O pareamento ou emparelhamento é uma forma de ensinar o reconhecimento visual dos estímulos do mundo. É habilidade fundamental para todas as crianças, já que trabalha questões visuais, perceptivas e cognitivas. Quando pensamos em particularidades do Transtorno do...

ler mais