Blog

TDAH – Orientações aos pais

11/03/2019

– Procurem o máximo possível de informações sobre o TDAH e possíveis comorbidades, antes de iniciar o tratamento.

– Tenham tempo para seus filhos!!!

– Elogiem sempre!!! A criança precisa saber que seus esforços em vencer desafios estão sendo reconhecidos.

– Lembrem-se de que seu filho pode estar tentando atender às suas expectativas e da escola, mas nem sempre consegue.

– Não cobrem somente resultados, valorizem o esforço e empenho.

– Organizem uma rotina diária como: hora para dormir, se alimentar, fazer tarefas escolares e de casa, assistir TV, brincar e descansar!!! Muitas vezes, são necessários intervalos, principalmente durante atividades que exijam esforço mental (concentração).

– Falem de frente e olhando nos olhos.

– Reforcem comportamentos adequados e repreendam construtivamente comportamentos inadequados, explicando como deveriam ter agido. Não adianta falar que é errado e não explicar o que seria correto.

– Participem da rotina terapêutica do seu filho. Conversem com os terapeutas e alinhem novas estratégias, quando necessário.

– Ensinem a criança terminar suas atividades e a não desistir. – Não sobrecarreguem a criança com muitas funções ou atividades extracurriculares.

– Mantenham contato direto com a escola; é essencial a participação dos pais e terapeutas junto a mesma.

– Tenham um espaço arejado, bem iluminado e sem muitos estímulos para o estudo.

– Incentivem atividades físicas regulares.

– Estimulem a autonomia da criança e a importância em fazer amigos.

– Conversem sobre regras e limites, de maneira clara, estabelecendo sempre um diálogo. A relação não pode ser unidirecional. – Ensinem a lidar com situações de conflito e frustrações.

– Usem agendas, murais para fixar bilhetes, por ex.

– Preparem a criança para mudanças de rotina.

– Façam da sua casa um local harmônico.

– Perguntem como seu filho se sente,e, se preciso, estabeleçam novos cronogramas e regras. Aprendam a “ler” seus filhos e a se reorganizarem quantas vezes forem necessárias.

– Tenham paciência, sejam persistentes e façam tudo com muito amor!

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

🚨Atualização: No relatório final do site oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS), não consta o código 6A02.4. site: https://icd.who.int/browse11/l-m/en 🧩Dessa forma constam os seguintes códigos para TEA na CID 11. 6A02 – Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)...

ler mais
“O mundo pede saúde mental”

“O mundo pede saúde mental”

O mundo pede saúde mental”. Esse é o alerta da campanha Janeiro Branco de 2022, que chega, mais uma vez, com o objetivo de colocar em pauta questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental. É um convite para que possamos estar atentos à nossa própria saúde mental e...

ler mais

Natal: dicas para crianças com autismo

O período de fim de ano traz à tona aspectos importantes relacionados a particularidades do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Isso porque, acontecimentos e preparativos relacionados às festas de Natal e de Réveillon podem afetar, por diferentes motivos, crianças e...

ler mais
Autismo “leve” X Autismo “severo”

Autismo “leve” X Autismo “severo”

Muitas pessoas com autismo nível 1 (“leve”) relatam o quanto seus desafios costumam ser ignorados ou não valorizados. Isso se aplica ainda mais às meninas e mulheres no espectro nível 1. Da mesma maneira, autistas no nível 3 de suporte (“severo”) podem ter suas...

ler mais
Masking é prejudicial no TEA?

Masking é prejudicial no TEA?

A camuflagem social ou masking envolve um conjunto de estratégias que visam “camuflar”, “mascarar” comportamentos característicos do TEA a fim de se adaptar e atender às expectativas dos mais diversos contextos sociais. A camuflagem social também é uma estratégia...

ler mais
Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais. Um estudo recente, considerado o de maior...

ler mais
O que você sabe sobre gagueira?

O que você sabe sobre gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, que se manifesta na infância, podendo persistir na vida adulta. Até 3-4 anos pode ser considerado disfluência e faz parte do processo da linguagem. Quando persiste ou surge depois dessa idade, merece...

ler mais

Bullying e Transtorno do Espectro Autista

O bullying corresponde à prática de atos intencionais de violência, física ou psicológica, cometidos por um ou mais agressores contra um indivíduo ou grupo. Pode gerar prejuízos significativos na vida de muitas crianças e adolescentes, tendo eles desenvolvimento...

ler mais