Blog

Transtorno de Ansiedade de Separação

08/08/2019

A ansiedade de separação é decorrente de um medo intenso, exagerado de se separar, perder uma pessoa importante do seu vínculo, geralmente um dos pais ou cuidador (mais frequentemente a mãe).
A prevalência em crianças e adolescentes é de 4% e mais em meninas. Se inicia antes dos 18 anos e tem duração mínima de 4 semanas.

A dificuldade com a separação é relativamente comum entre crianças de 8 meses a 2 anos, mas tende a desaparecer conforme a criança amadurece e entende que a separação é pontual, que os seus pais ou outra pessoa de vínculo importante irão retornar, porém quando crianças e adolescentes se tornam tão ansiosos quando distantes da pessoa do vínculo, a ponto de trazer sofrimento e prejuízos significativos sociais, escolares, familiares ou persistir além dessa idade e/ou ressurgir em outra fase da vida da criança, o quadro merece atenção.

Sinais de alerta – sofrimento excessivo e recorrente, queixas físicas repetidas, medo exagerado, recusa em ir para escola ou outro lugar mesmo que prazeroso frente à possibilidade de se separar da pessoa de grande vínculo/apego; distúrbios de sono como insônia, pesadelos sobre separação, medo de dormir e ficar sozinho mesmo que em um cômodo da casa mas longe da pessoa de apego; preocupação persistente que um evento indesejado possa separar dessa pessoa.

Predisposição genética, fatores ambientais e biológicos estão relacionados às causas. É importante avaliar ambientes familiares estressantes, com pessoas ansiosas e situações traumáticas já que a criança aprende a se comportar de acordo com experiências vivenciadas.

O tratamento envolve terapia comportamental, ajuste e apoio familiar, conscientizar pais e familiares da importância de mudar seus comportamentos ansiosos, temerosos e preocupações excessivas e incentivar seus filhos a desenvolverem maior autonomia para lidar com seus sentimentos, medos e inseguranças promovendo um ambiente seguro, em que se sintam amparados, confiantes e amados e que, ao mesmo tempo, possam se expressar sem julgamentos.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

Transtorno do Espectro Autista na CID-11

🚨Atualização: No relatório final do site oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS), não consta o código 6A02.4. site: https://icd.who.int/browse11/l-m/en 🧩Dessa forma constam os seguintes códigos para TEA na CID 11. 6A02 – Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)...

ler mais
“O mundo pede saúde mental”

“O mundo pede saúde mental”

O mundo pede saúde mental”. Esse é o alerta da campanha Janeiro Branco de 2022, que chega, mais uma vez, com o objetivo de colocar em pauta questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental. É um convite para que possamos estar atentos à nossa própria saúde mental e...

ler mais

Natal: dicas para crianças com autismo

O período de fim de ano traz à tona aspectos importantes relacionados a particularidades do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Isso porque, acontecimentos e preparativos relacionados às festas de Natal e de Réveillon podem afetar, por diferentes motivos, crianças e...

ler mais
Autismo “leve” X Autismo “severo”

Autismo “leve” X Autismo “severo”

Muitas pessoas com autismo nível 1 (“leve”) relatam o quanto seus desafios costumam ser ignorados ou não valorizados. Isso se aplica ainda mais às meninas e mulheres no espectro nível 1. Da mesma maneira, autistas no nível 3 de suporte (“severo”) podem ter suas...

ler mais
Masking é prejudicial no TEA?

Masking é prejudicial no TEA?

A camuflagem social ou masking envolve um conjunto de estratégias que visam “camuflar”, “mascarar” comportamentos característicos do TEA a fim de se adaptar e atender às expectativas dos mais diversos contextos sociais. A camuflagem social também é uma estratégia...

ler mais
Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Prematuridade e autismo: existe alguma relação?

Muitas pesquisas têm se dedicado a descobrir se o nascimento prematuro contribui de alguma forma para maior risco de autismo, ou, ainda, se prematuridade e autismo podem compartilhar influências genéticas ou ambientais. Um estudo recente, considerado o de maior...

ler mais
O que você sabe sobre gagueira?

O que você sabe sobre gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurobiológico da fluência da fala, que se manifesta na infância, podendo persistir na vida adulta. Até 3-4 anos pode ser considerado disfluência e faz parte do processo da linguagem. Quando persiste ou surge depois dessa idade, merece...

ler mais

Bullying e Transtorno do Espectro Autista

O bullying corresponde à prática de atos intencionais de violência, física ou psicológica, cometidos por um ou mais agressores contra um indivíduo ou grupo. Pode gerar prejuízos significativos na vida de muitas crianças e adolescentes, tendo eles desenvolvimento...

ler mais