Blog

Como a neurociência explica as birras?

03/03/2021

As birras fazem parte do desenvolvimento da criança e são uma maneira de a criança “dizer algo” que ainda não sabe como, porque não tem maturidade cerebral para lidar e expressar de outra maneira suas emoções, como, por ex., raiva, medo, cansaço, fome, sono, entre outras.

Especialmente até os 4 anos, a criança usa mais seu cérebro primitivo, reagindo emocionalmente a situações estressantes com repostas mais instintivas, imediatas, de sobrevivência. À medida que os anos vão passando, a região mais anterior do córtex pré-frontal vai amadurecendo, conferindo maior capacidade de pensamento crítico, reflexivo, de planejamento e solução de problemas; e é somente por volta dos 25 anos que a parte mais racional desta região estará completamente amadurecida. Somado a isso, na primeira infância, as crianças nem sempre apresentam repertório verbal necessário para expressar suas emoções ou conseguem nomear seus sentimentos. Lidar com frustrações e contornar problemas é, assim, mais difícil, e a forma de se expressar passa a ser através de birras.

Precisamos, porém, estarmos atentos a episódios de birras excessivas que podem estar associadas a transtornos do neurodesenvolvimento.(GOUVEIA, 2009).

Diante de uma birra, precisamos ajudar a criança em vez de simplesmente repreendê-la. Nem sempre é fácil. Os esforços devem ser no sentido de ajudar a criança a se acalmar, lembrando que ela não costuma conseguir fazer isso sozinha. O ideal é levar a criança para um espaço onde ela possa se expressar e se acalmar. Se possível, redirecione a atenção para outra coisa. Olhe nos olhos, não aja com agressividade, nem diga nada negativo. Se possível, negocie. Se souber que algo pode desencadear birra, antecipe, explique de maneira que ela possa compreender.

Seja sensível, lembre-se que a criança não tem habilidades de autorregulação emocional, e, portanto, depende das suas. Quando temos essa consciência, conseguimos olhar com mais sensibilidade para nossas crianças e nos desligarmos um pouco mais dos “olhares alheios”, com tranquilidade e maior entendimento.

Dra. Deborah Kerches

Dra. Deborah Kerches
Neuropediatria e Saúde Mental Infantojuvenil
Especialista em Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Últimas publicações

Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

Pareamento e Transtorno do Espectro Autista

O pareamento ou emparelhamento é uma forma de ensinar o reconhecimento visual dos estímulos do mundo. É habilidade fundamental para todas as crianças, já que trabalha questões visuais, perceptivas e cognitivas. Quando pensamos em particularidades do Transtorno do...

ler mais
Imitação e Fala

Imitação e Fala

Desde muito cedo, somos capazes de imitar expressões faciais, gestos, sons, entonação, ações, etc. Bebês e crianças são naturalmente observadores e, assim, aprendem a imitar e adquirem os mais diversos aprendizados. A habilidade de imitar é um dos pré-requisitos para...

ler mais
Como trabalhar Inteligência Emocional em crianças com TEA

Como trabalhar Inteligência Emocional em crianças com TEA

Diante dos desafios que a própria condição impõe, torna-se essencial trabalhar a inteligência emocional junto à criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Quando a criança aprende a nomear e reconhecer as emoções, ela passa não só a compreendê-las e...

ler mais
Inteligência emocional e Transtorno do Espectro Autista

Inteligência emocional e Transtorno do Espectro Autista

Ao contrário do que alguns pensam, as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) têm sentimentos, desejam expressar tais sentimentos, se relacionar, mas, muitas vezes, podem não saber como. Essa, porém, não é uma regra: na prática clínica, observa-se que...

ler mais
Posicionamento da  SBP sobre o retorno às aulas

Posicionamento da SBP sobre o retorno às aulas

A reabertura das escolas em meio à pandemia da Covid-19 ainda divide "opiniões". Por um lado, o risco de contágio especialmente neste momento em que o Brasil tem apresentado altos índices de contaminação; por outro, a preocupação com os impactos negativos relacionados...

ler mais
Brincadeiras para trabalhar imitação

Brincadeiras para trabalhar imitação

Brincadeiras simples de imitação proporcionam diversão e muito aprendizado! A imitação deve ser consolidada na infância e é pré-requisito para que novos aprendizados em qualquer contexto social sejam mais facilmente incorporados, como desenvolvimento motor, da...

ler mais
Gaming Disorder

Gaming Disorder

A Organização Mundial de Saúde (OMS) atualizou a 11ª edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde -CID-11 (instrumento necessário para se avaliar o estado de bem-estar de uma população ou de um país) em 18 de junho...

ler mais
Há benefícios no uso de telas?

Há benefícios no uso de telas?

Já sabemos que os estímulos off-line, o brincar, as relações, não podem ser substituídos por telas. Da mesma forma, devemos reconhecer que a tecnologia não pode ser vista somente como “vilã”: quando utilizada de forma adequada, associada a outros meios de percepção do...

ler mais
Recomendações para o uso de telas

Recomendações para o uso de telas

Diante dos riscos que a exposição excessiva a telas oferece à saúde mental e física das crianças, temos recomendações claras de como elas devem ou não ser utilizadas. Principais orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP): ✅Evitar a exposição de crianças...

ler mais